Santuário de Fátima surpreendido com declarações do Governo sobre o 13 de Maio

3 de Maio 2020

O Santuário de Fátima foi “apanhado de surpresa pelas declarações do Governo” sobre as celebrações religiosas de 12 e 13 de maio, disse hoje à agência Lusa fonte do Santuário.

“O Santuário foi apanhado de surpresa pelas declarações do Governo” e “está a reunir todos os elementos para tomar uma posição” sobre as celebrações religiosas de 12 e 13 de maio em Fátima, afirmou uma fonte do gabinete de comunicação da instituição.

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse, no sábado, que as celebrações do 13 de Maio, em Fátima, são “uma possibilidade”, desde que sejam uma opção dos organizadores e cumpridas as regras sanitárias.

“Se essa for a opção de quem organiza as celebrações, de organizar uma celebração do 13 de Maio onde possam estar várias pessoas, desde que sejam respeitadas as regras sanitárias, isso é uma possibilidade”, disse a governante, em entrevista à SIC.

Em 06 de abril, o Santuário de Fátima anunciou que a Peregrinação Internacional Aniversária de maio será este ano celebrada sem a presença física de peregrinos, devido à Covid-19, mas que se mantêm as principais celebrações.

Apesar de esta peregrinação não poder ser vivida nos moldes habituais, vão realizar-se “as principais celebrações na Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, que serão presididas pelo cardeal D. António Marto e transmitidas pelos meios de comunicação social e digital”, explicou.

O Conselho Nacional do Santuário de Fátima vai reunir-se para “tomar uma posição sobre as celebrações”, adiantou à agência Lusa a mesma fonte, sem indicar qualquer data.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 243 mil mortos e infetou mais de 3,4 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de um milhão de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.023 pessoas das 25.190 confirmadas como infetadas, e há 1.671 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Adriana Santos: “Tentamos sempre que a ANEEB tenha uma componente de ação social”

Seia foi o local escolhido para a quinta edição da iniciativa solidária +ANEEB, organizada pela Associação Nacional de Estudantes de Engenharia Biomédica (ANEEB). Será nos dias 19, 20 e 21 de julho para alunos e ex-alunos de Engenharia Biomédica e cursos equivalentes, como Bioengenharia, e envolverá a Santa Casa da Misericórdia (lar e Unidade de Cuidados Continuados), a Cruz Vermelha e a associação Nós é Mais Bichos. No penúltimo dia de inscrições (decorrem até 16 de junho), o HealthNews entrevistou a diretora do Departamento de Ensino e Ação Social, Adriana Santos, sobre o projeto.

SIM contra concursos sem local de trabalho definido

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) manifestou-se hoje contra os concursos públicos para médicos sem definição concreta do local de trabalho, afirmando que “é inaceitável e gera instabilidade, insegurança e desmotivação”.

Relatório revela falta de profissionais em cuidados paliativos

Os serviços de cuidados paliativos apresentam “insuficiências significativas”, revela um relatório hoje divulgado, segundo qual em 2022 estavam em falta 39 médicos, 246 enfermeiros, 19 psicólogos e 18 assistentes sociais.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights