Fundação Champalimaud lidera consórcio internacional de investigação – covid 19

6 de Maio 2020

A Fundação Champalimaud lidera um consórcio internacional de investigação clínica cujo objetivo é compreender melhor a natureza da covid-19 e desenvolver um tratamento para esta doença que já matou 251 mil pessoas e infetou cerca de 3,6 milhões.

Segundo um comunicado da Fundação Champalimaud, o consórcio vai juntar equipas de investigadores de Portugal, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Irlanda, Arábia Saudita, Sudão e Estados Unidos, aliando a investigação clínica em cancro e em doenças infecciosas.

Além da Fundação Champalimaud, a parceria conta também com o UCL de Londres, o Instituto francês Gustave Roussy, o Centro de Medicina Experimental da Queen’s University de Belfast e o Centro de Doenças Infecciosas de Roma, entre outros.

Em comunicado, a fundação refere que pela primeira vez centros de cancro e de doenças infecciosas trabalham em conjunto em desenvolvimentos clínicos com o objetivo de mudar o rumo da covid-19.

A imunologia clínica encontra-se numa encruzilhada em que a investigação biológica e clinicamente relevante se cruza com a prática clínica nas doenças infecciosas e no cancro, embora muitas vezes não exista uma interface cruzada entre estas disciplinas.

A nota sublinha que as abordagens imunológicas na vacinação, na gestão clínica e na terapia biológica e celular do cancro e das doenças infecciosas têm vários aspetos em comum.

“Uma interface estruturada e aberta com troca de dados clínicos, desenvolvimento de estudos clínicos e conceitos de tratamento, beneficiará ambos os campos, a imunoterapia oncológica e as terapias direcionadas ao hospedeiro – nas quais a resposta imunitária do paciente é manipulada ativamente para alcançar um resultado mais favorável”, defende a fundação portuguesa.

O consórcio está aberto à adesão de outros participantes que subscrevam a partilha de conhecimentos de investigação especializada, bem como a promoção ativa de conceitos clínicos promissores estando previsto para breve uma página de web, onde será disponibilizada informação sobre projetos, organizações envolvidas e indicações sobre como outras entidades se podem juntar a esta iniciativa.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 250 mil mortos e infetou cerca de 3,6 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de um 1,1 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.074 pessoas das 25.702 confirmadas como infetadas, e há 1.743 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos a aliviar diversas medidas.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights