Faculdade de Ciências e Tecnologia orientou recursos para combater a pandemia

16 de Maio 2020

A Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL) está a regressar aos poucos à atividade letiva, mas nos últimos dois meses alocou grande parte dos seus recursos ao combate à pandemia.

Com uma componente de investigação bastante vincada, a FCT viu a sua atividade diminuir drasticamente com o confinamento imposto pelo estado de emergência a que a covid-19 obrigou. Ainda assim, percebendo as necessidades, muitos dos seus profissionais puseram momentaneamente de lado os projetos em que trabalhavam e tomaram em mãos os pedidos mais urgentes da sociedade civil.

“A nossa investigação sofreu uma reorientação porque, dada a situação de pandemia, a faculdade sentiu que era sua obrigação pública e social orientar a sua atividade para atender a necessidades que tinham diretamente a ver com a pandemia”, explica o reitor da UNL, João Sàágua, à Lusa, acrescentando que “houve investigadores de topo a fazer coisas banais, mas que eram essenciais”, como por exemplo, preparar zaragatoas ou líquido desinfetante.

Apesar dos números da pandemia parecerem estar a estabilizar, o reitor da UNL diz que este trabalho continua e que a investigação da FCT continua empenhada no combate à covid-19.

“Estamos a fazer testes com a Santa Casa da Misericórdia para os lares de Lisboa e para isso os investigadores tiveram de refazer a sua atividade e a sua agenda. Esta ajuda vai manter-se, mas a pouco e pouco os projetos que ficaram temporariamente suspensos vão começar a ser reativados, sobretudo aqueles que têm uma dimensão laboratorial”, explica.

Eurico Calisto, professor de Química, foi um dos primeiros a colocar-se ao serviço das necessidades. A poucos quilómetros da FCT, o Hospital Garcia de Orta cedo revelou que tinha falta de álcool gel para as necessidades que se impunham e a faculdade ofereceu-se para ajudar: dos laboratórios saíram dezenas de litros que ajudaram os profissionais do Serviço Nacional de Saúde e hoje, com os números da pandemia a descer, no laboratório 417 continua a preparar-se gel desinfetante, mas desta feita para consumo interno.

“A faculdade reabriu na semana passada e necessita de ter álcool gel para estudantes e funcionários quando o regresso for total. Por isso, como o álcool gel no mercado é extremamente caro e somos químicos, para nós não é difícil produzi-lo e é o que estamos a fazer”, revela o professor enquanto mistura o etanol, componente principal desta solução, com outros reagentes.

Quanto ao regresso às suas funções de origem, o professor não está ansioso, mas assume que tem saudades do “normal”.

“A vida vai continuar mas só que um pouco mais lentamente”, termina.

Portugal contabiliza 1.190 mortos associados à covid-19 em 28.583 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights