Brasil com quase 40 mil infetados e 1.374 mortes nas últimas 24 horas

24 de Junho 2020

O Brasil voltou a registar mais de mil mortes diárias devido à Covid-19, com 1.374 óbitos e 39.436 novos casos nas últimas 24 horas, informou esta quarta-feira o Ministério da Saúde do país.

De acordo com o executivo, 556 das 1.374 mortes ocorreram nos últimos três dias, mas foram incluídas nos dados de hoje.

O Brasil, segundo país do mundo com mais mortos e infetados, totaliza agora 52.645 vítimas mortais e 1.145.906 pessoas diagnosticadas desde o início da pandemia, registada oficialmente no país em 26 de fevereiro.

O Brasil é também a segunda nação com mais doentes recuperados do novo coronavírus (613.345), apenas atrás dos Estados Unidos da América, sendo que 479.916 doentes continuam sob acompanhamento.

Segundo a tutela da Saúde, a letalidade da doença no país sul-americano mantém-se nos 4,6%, registando uma incidência de 25,1 mortes e 545,3 casos de Covid-19 por cada 100 mil habitantes (a população do Brasil é de cerca de 210 milhões de pessoas).

O foco da pandemia no país é o estado de São Paulo (sudeste), que concentra 229.475 casos de infeção e 13.068 vítimas mortais, tendo registado nas últimas 24 horas um recorde de mortes.

Aquele que é o estado mais rico e populoso do país contabilizou hoje 434 óbitos, o maior número diário desde o começo da pandemia. Já o número de casos confirmados subiu de 221.973 para 229.475, um aumento de 7.502 infetados pela Covid-19.

De acordo com o coordenador-executivo do Centro de Contingência de São Paulo, João Gabbardo, o número está dentro da projeção feita pelo organismo, de que o estado deve atingir 15 mil a 18 mil mortes até ao final do mês.

As seguintes unidades federativas brasileiras mais afetadas pela pandemia são o Rio de Janeiro (sudeste), que acumula 100.869 infetados e 9.153 vítimas mortais, o Ceará (nordeste), que tem 97.528 casos confirmados e 5.717 mortes, e o Pará (norte), que contabiliza oficialmente 88.636 contágios e 4.672 óbitos devido à covid-19.

Já um consórcio formado pela imprensa brasileira, que decidiu colaborar na recolha de informações junto das secretarias de Saúde estaduais, informou que o país registou 1.364 mortes e 40.131 novos infetados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas.

No total, o consórcio formado pelos principais ‘media’ do Brasil indicou que o país totaliza 1.151.479 casos e 52.771 vítimas mortais desde o início da pandemia, números superiores aos avançados pelo executivo.

A contabilização feita pelo consórcio não contou hoje com dados do estado de Roraima, que não os enviou até ao encerramento do balanço diário.

O ministro interino da Saúde brasileiro, Eduardo Pazuello, afirmou hoje que o Brasil deve assinar esta semana um acordo com a Universidade de Oxford para produzir a vacina contra a Covid-19.

“Estamos a fechar com a Casa Civil o compromisso de participação do Brasil. Estamos em ligações paralelas bem adiantadas com universidades, envolvendo a Fiocruz [Fundação Oswaldo Cruz, maior centro de investigação médica da América Latina] e a BioManguinhos [Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos]. A Casa Civil está a analisar a assinatura para os próximos momentos, ainda esta semana”, afirmou o ministro, numa audiência no Congresso.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 473 mil mortos e infetou mais de 9,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Montenegro: “Concordo com a necessidade de valorizar a carreira dos bombeiros e estamos a trabalhar nisso”

Hoje, no debate sobre o estado da nação, o primeiro-ministro respondeu a Inês Sousa Real que concorda que é necessário valorizar a carreira dos bombeiros, mas o Governo está “a trabalhar nisso”, e garantiu que não está desatento à violência doméstica, tendo já avançado com um despacho para a criação de um grupo de trabalho “transversal” no âmbito do apoio à vítima.

Utentes do Médio Tejo elogiam nova Unidade Local de Saúde

Os utentes da saúde do Médio Tejo (CUMST) elogiaram na terça-feira os resultados obtidos com a nova Unidade Local de Saúde (ULS), que agrega a gestão dos cuidados primários e hospitalares, tendo defendido a divulgação dos dados do primeiro semestre.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights