Bombeiros da Guarda têm dispositivo de combate a incêndios fora do quartel para evitar contágios

10 de Julho 2020

Os bombeiros da Guarda instalaram o dispositivo de combate a incêndios rurais fora do quartel, nas instalações da Pousada da Juventude local, para evitar o contágio de Covid-19 entre os elementos do corpo ativo. O anuncio foi feito esta sexta-feira.

O comandante dos Bombeiros Voluntários da Guarda, Paulo Sequeira, disse hoje à agência Lusa que o procedimento “faz parte do plano de contingência interno”, que foi posto em prática no início deste mês.

“Solicitámos apoio à Câmara Municipal da Guarda que, por sua vez, falou com a entidade gestora da Pousada da Juventude, [que já tinha disponibilizado o espaço para acolher profissionais de saúde e outros envolvidos no combate à pandemia] e instalámos ali o destacamento do dispositivo de combate a incêndios rurais, que funciona a partir daquele local, de noite e de dia, deslocando-se os seus elementos ao quartel apenas quando é necessário”, explicou o responsável.

Com esta medida, os Bombeiros Voluntários da Guarda passaram a ter os seus elementos divididos por dois locais – no quartel e na Pousada da Juventude – “aumentando o distanciamento físico e a segurança”, que são necessários “para quebrar eventuais cadeias de contágio por Covid-19”, segundo o comandante.

“O nosso medo é que surjam alguns casos de infeção [entre os elementos] e possam fazer parar o corpo de bombeiros. Felizmente, temos conseguido manter o corpo de bombeiros isento de problemas para o manter operacional, para cumprir a sua missão de emergência”, observou.

Segundo Paulo Sequeira, nas instalações da Pousada da Juventude está sediado o destacamento do dispositivo de combate a incêndios rurais (com um máximo de 15 a 17 pessoas em permanência) e no quartel estão os elementos do piquete de voluntários (durante a noite) e os profissionais dos serviços de emergência pré-hospitalar e de transporte de doentes.

A medida “é uma ajuda para as garantias de segurança do pessoal”, rematou o comandante.

O corpo ativo dos bombeiros voluntários da Guarda possui um total de 120 elementos, entre voluntários e profissionais.

A pandemia de Covid-19 já provocou quase 551 mil mortos e infetou mais de 12,12 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.644 pessoas das 45.277 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Inquérito: Médicos Internos querem reforço dos apoios institucionais à produção científica e formação contínua

A maioria dos médicos internos inquiridos encontra-se satisfeito com o internato médico, mais concretamente com a especialidade em si (pontuação de 4.11/5) e com o orientador de formação e/ou responsáveis de formação (pontuação de 4.12/5). A satisfação com o serviço de formação, embora ainda seja positiva, é mais reduzida (pontuação de 3.63/5)

Coimbra procura voluntários para fazer companhia e dar apoio a idosos

A Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Coimbra está à procura de voluntários para fazer companhia e dar apoio a idosos da Baixa da cidade, revelou hoje a coordenadora do projeto comunitário de solidariedade social “Sim à Vida”.

Prof. Tiago Torres: Dermatite atópica afeta até 15% das crianças e entre 7 a 10% dos adultos

A incidência da dermatite atópica tem vindo a aumentar nos países desenvolvidos. De acordo com o Prof. Doutor Tiago Torres, dermatologista no Centro Hospitalar Universitário de Santo António, no Porto, e professor no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto, «a presença de certos genes predispõem ao desenvolvimento da doença. E há depois um conjunto de fatores ambientais que podem levar ao seu aparecimento».

Prémio CNS: Ideias que melhorem o estado de saúde dos doentes neurodegenerativos

O Campus Neurológico (CNS) abriu as candidaturas para a edição de 2023 do Prémio CNS, destacando projetos com o potencial de transformar o mundo através de ideias e iniciativas. Pelo 6.º ano consecutivo este prémio visa estimular na população em geral a criação de iniciativas, projetos e trabalhos que visem melhorar a qualidade de vida de pessoas com doenças neurodegenerativas (Doença de Alzheimer, Doença de Parkinson, entre outras) ou contribuir para a promoção da saúde na população adulta.

MAIS LIDAS

Share This