Timor-Leste novamente sem casos depois de doente infetado recuperar

18 de Agosto 2020

Timor-Leste está esta terça-feira novamente livre de casos de Covid-19 depois de o último doente diagnosticado, um cidadão indonésio, ter recuperado, segundo os dados oficiais do Ministério da Saúde divulgados hoje.

O boletim atualizado de dados do Ministério da Saúde mostra que o único paciente infetado – o caso foi confirmado a 04 de agosto – já não está no centro de isolamento de Vera Cruz, elevando assim para 25 o número total de doentes recuperados desde o início da pandemia.

Segundo o Ministério da Saúde há ainda 548 pessoas em quarentena em instalações do Estado, a que somam mais 202 em autoconfinamento em casa, sendo que a quase totalidade são pessoas que entraram pela fronteira terrestre ou em voos no início deste mês.

As autoridades de saúde realizaram até ao momento mais de cinco mil testes, estando ainda 221 pessoas à espera de conhecer o seu resultado.

Desde o início da pandemia Timor-Leste registou um total de 25 casos, já todos recuperados, sendo o doente infetado confirmado no início deste mês o primeiro desde maio.

O país está até 04 de setembro em estado de emergência – o quarto período com restrições desde o início da pandemia.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 770.429 mortos e infetou mais de 21,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights