Frederico Lopes, Junior Member of the Scientific & Innovation Department at LisbonPH

A Influência da Comunicação na Saúde

08/20/2020

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

A Influência da Comunicação na Saúde

20/08/2020 | Opinião

Uma comunicação eficaz é a chave para o bom funcionamento de qualquer atividade humana, pelo que não é de estranhar que o mesmo se aplique à área da saúde. A comunicação em saúde pressupõe a aplicação de estratégias para informar indivíduos, comunidades ou instituições e influenciar as suas decisões, de forma a promover a saúde através da adoção de comportamentos informados.

Vários são os estudos que relacionam uma melhor comunicação com o aumento da qualidade e segurança dos serviços de saúde. Por um lado, uma comunicação consciente e efetiva entre profissionais de saúde (entre e intra equipa) potencia a sinergia entre os mesmos. Por outro, há necessidade de uma comunicação descentrada do profissional de saúde e centrada no doente, respeitando-o como um elemento ativo no seu processo de saúde, doença e tratamento.

As consequências de uma má comunicação entre profissionais de saúde, doentes e familiares incluem confusão ao nível da medicação e acompanhamento do doente, que, potencialmente, culminará em readmissões desnecessárias e até mesmo litígios passíveis de ser prevenidos. Num estudo realizado com base em dados de 3000 hospitais diferentes, ao longo de seis anos, foi determinado que a comunicação entre profissionais de saúde era o fator mais preponderante no que diz respeito à redução das readmissões (Senot, C., Chandrasekaran, A., Ward, P. T., Tucker, A. L., & Moffatt-Bruce, S. D., 2015).

Segundo um outro estudo, realizado pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, os obstáculos à qualidade da comunicação incluem a falta de formação e treino do profissional de saúde no que diz respeito a esta temática. Neste sentido, as competências comunicacionais deverão ser entendidas como parte integrante da sua formação, tal como acontece com outras competências de ordem técnica e clínica (Santos, M.C., Grilo, A., Andrade, G., Guimarães, T., Gomes A., 2010).

Não podemos deixar de mencionar a influência dos media sobre o atual panorama da comunicação em saúde. Graças à evolução a nível social e tecnológico que temos vindo a observar na História recente, a maioria da população dispõe de meios que lhe permitem aceder a uma quantidade incalculável de informação. Contudo, apesar de haver informação em abundância, isso não significa que a maioria dos cidadãos saiba, necessariamente, assimilar e utilizar esses dados. A saúde abrange assuntos com uma certa complexidade e especificidade e uma linguagem bastante característica, pelo que a sua interpretação pode tornar-se difícil. Neste sentido, estes meios, como já o são atualmente, deverão ser aproveitados pelas instituições e profissionais de saúde para informar e educar o público.

No entanto, também será necessário ter em conta que, mais importante do que simplesmente passar informação, é saber passá-la eficazmente e de forma a que a maioria da população a entenda.

Temos ainda de ter em conta o potencial para a divulgação de informação incorreta ou até mesmo enganosa, sendo vários os exemplos deste tipo de situação. Seja desinformação relativa à relação entre a vacinação e o surgimento de autismo ou relacionada com possíveis métodos de desinfeção e proteção contra infeções virais, por exemplo, as consequências deste fenómeno podem ser gravosas. Não só podem ter efeitos negativos ao nível do bem-estar e saúde da população, como podem levar à deterioração da sua confiança no governo, nas autoridades e nas instituições de saúde.

O fact checking em saúde não é ainda tão frequente como deveria ser. Além disso, pode tornar-se difícil competir com a viralidade da desinformação que pretende esclarecer. Desta forma, parte da solução baseia-se na criação de conteúdo mais claro, recorrendo a visualizações ou storytelling, por exemplo.

Em suma, a comunicação é um fator preponderante na saúde, não só por originar cuidados de saúde de maior qualidade e mais seguros, mas também porque permite influenciar as decisões e comportamentos dos cidadãos, promovendo o bem-estar da população. Nesse sentido, o aprimoramento das competências comunicativas será algo de extrema importância para as autoridades, instituições e profissionais de saúde, na demanda por cuidados de saúde de melhor qualidade e por uma sociedade mais informada e com maior capacidade para responder a problemáticas relacionadas com a saúde.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Montenegro: “Concordo com a necessidade de valorizar a carreira dos bombeiros e estamos a trabalhar nisso”

Hoje, no debate sobre o estado da nação, o primeiro-ministro respondeu a Inês Sousa Real que concorda que é necessário valorizar a carreira dos bombeiros, mas o Governo está “a trabalhar nisso”, e garantiu que não está desatento à violência doméstica, tendo já avançado com um despacho para a criação de um grupo de trabalho “transversal” no âmbito do apoio à vítima.

Utentes do Médio Tejo elogiam nova Unidade Local de Saúde

Os utentes da saúde do Médio Tejo (CUMST) elogiaram na terça-feira os resultados obtidos com a nova Unidade Local de Saúde (ULS), que agrega a gestão dos cuidados primários e hospitalares, tendo defendido a divulgação dos dados do primeiro semestre.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights