Moderna confirma negociações avançadas com a CE para a compra de mais 80 milhões de vacinas para o COVID-19.

25 de Agosto 2020

O potencial acordo de compra de 80 milhões de doses tem ainda uma opção que permite aos Estados Membros comprar até mais 80 milhões de doses, perfazendo um total de 160 milhões de vacinas. As discussões têm servido para garantir o acesso dos Estados Membros à vacina.

A Moderna, uma empresa do ramo da biotecnologia e pioneira na utilização terapêutica do mensageiro celular RNA (mRNA) para a criação de uma nova geração de medicamentos transformativos para os pacientes, anunciou esta segunda-feira que concluiu conversas avançadas com a Comissão Europeia para o fornecimento de 80 milhões de doses da vacina mRNA-1273 – a vacina candidata da empresa contra o COVID-19. O acordo faz parte do objetivo da Comissão Europeia de garantir acesso atempado a vacinas seguras e eficazes contra a COVID-19.

O potencial acordo de compra de 80 milhões de doses tem ainda uma opção que permite aos Estados Membros comprar até mais 80 milhões de doses, perfazendo um total de 160 milhões de vacinas. As discussões têm servido para garantir o acesso dos Estados Membros à vacina.

O estudo de fase 3 da mRNA-1273 foi iniciado a 27 de julho, conta com aproximadamente 30 mil participantes e está encaminhado para terminar em setembro. Quanto ao fabrico da vacina, a empresa está escalar a produção a um nível global para que possa produzir e entregar 500 milhões de doses por ano até ao início de 2021, mas com a possibilidade de duplicar este número.

Naa Europa, a empresa está a trabalhar com os seus parceiros estratégicos de manufaturação, a Lonza na Suiça e a ROVI em Espanha, para conseguir produzir fora dos Estados Unidos, onde está sediada. Estes parceiros compõem uma cadeia de produção dedicada à Europa e a outros países que não os Estados Unidos, que assinem acordos de compra com a Moderna.

“Apreciamos a colaboração da Comissão Europeia para assegurar que os europeus terão acesso a vacinas seguras e eficazes, e estamos orgulhosos de que a Comissão Europeia tenha reconhecido o potencial da nossa vacina de tecnologia mRNA. Os parceiros europeus, investidores e cidadãos fazem parte da Moderna desde o início da empresa e têm desempenhado um papel importante no progresso da empresa”, disse Stéphane Bancel, CEO da Moderna.

“Estamos a aumentar a nossa capacidade internacional de manufaturação fora dos Estados Unidos com os nossos parceiros estratégicos, a Lonza na Suiça e a ROVI em Espanha, para estarmos numa posição em que consigamos contribuir para esta emergência global de saúde com uma vacina que estará amplamente disponível, assim que for aprovado o seu uso”, acrescentou.

Ao longo dos últimos nove anos, a Moderna investiu na criação e desenvolvimento de uma nova plataforma para desenhar e manufaturar uma nova classe de vacina à base de mRNAs. Os investimentos nesta plataforma proprietária tornaram a Moderna capaz de criar e manufaturar rapidamente e desenvolver clinicamente a mRNA-1273 para combater potencialmente a pandemia de COVID-19.

 

NR/HN/João Marques

 

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Expansão do modelo ULS

Fernando Araújo é um dos autores de um artigo publicado na revista “Frontiers in Public Health”, em maio deste ano, que explica a história e perspetiva o futuro do modelo ULS.

Cérebro humano consegue distinguir vozes deepfake de vozes reais

Os nossos cérebros processam vozes naturais e vozes deepfake de forma diferente? Pesquisas realizadas na Universidade de Zurique indicam que sim. Num novo estudo, investigadores identificaram duas regiões cerebrais que respondem de maneira distinta a vozes naturais e a vozes deepfake.

Solidão e problemas de saúde mental estão interligados

Os resultados de um estudo realizado por investigadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NTNU), da Universidade de Oslo, da UiT Universidade do Ártico da Noruega, da OsloMet, do Hospital Universitário de Oslo e do Hospital Innlandet e publicados na BJPsych Open, mostram que pessoas solitárias têm maior probabilidade de tomar medicação para depressão, psicose e outros distúrbios mentais.

Pressão arterial elevada associada a pior cognição em adolescentes

Adolescentes com pressão arterial elevada e rigidez arterial podem experienciar funções cognitivas mais fracas, de acordo com um estudo recente finlandês realizado por investigadores das universidades de Jyväskylä e de Eastern Finland, ambas na Finlândia.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights