28/08/2020 | Opinião

Anamnese de uma pandemia

Dilermando Sobral
Médico de Família

Dilermando Sobral
Médico de Família

Anamnese de uma pandemia

28/08/2020 | Opinião

Guardei a memória da treva, do medo espavorido
do homem da caverna
que me fazia gritar quando era menino e me apagavam a luz;
 (António Gedeão, excerto do Poema da Eterna Presença)

São já inúmeros os estudos de investigação que pretendem esclarecer, dar a conhecer, explorar ou simplesmente relatar factos relacionados com a actual pandemia de Covid-19; no entanto, ainda estamos longe de compreender a realidade desta doença que veio alterar de modo tão profundo o nosso quotidiano.

Para além da maioria dos estudos já conhecidos dizerem respeito a aspectos locais ou parciais da doença e do agente por ela responsável (o SARS-CoV 2), os resultados por vezes contraditórios não permitem, por enquanto, entender na totalidade o que nos reserva esta pandemia.

A incerteza e a imprevisibilidade quanto ao futuro imediato são tão grandes que não admira que surjam muitas e diferentes opiniões, previsões e palpites, para todos os gostos e paladares. Se a incerteza sempre foi apanágio da Ciência, em geral, e da Medicina, em particular, ela assume agora o papel principal. Arriscaria dizer que a incerteza é a única certeza que temos, nestes tempos.

Parafraseando um antigo jogador de futebol, “prognósticos só no fim do jogo”, que é como quem diz, utilizando terminologia científica, o diagnóstico desta pandemia só se fará quando ela terminar.

Por enquanto, vamos fazendo a sua anamnese*, isto é, vamos à memória buscar os factos relevantes para ajudar no diagnóstico.
Um dos factos relevantes a ter em consideração na história que vier a ser feita desta pandemia é o medo. Todos temos ou tivemos medo, face a esta ameaça inicialmente invisível mas que depressa se tornou real.

Eu tive a tendência inicial de pensar que se tratava de mais um ‘daqueles vírus’ que surge apenas em países orientais e que não nos iria incomodar, que íamos voltar a exagerar em cuidados e preciosismos que se tornariam ridículos quando se percebesse que ‘afinal não tinha sido nada’.

Mas quando a infecção pelo novo Coronavirus atingiu a Europa e rapidamente se propagou, eu também tive medo. E veio-me à memória o que tinha ouvido contar sobre a pandemia da gripe espanhola. O meu avô, então um jovem chefe de família, trabalhou como voluntário da Cruz Vermelha durante esses tempos e as histórias que contava incluíam factos como ter entrado em casas onde todos os habitantes tinham morrido e ele mesmo ter perdido dezoito familiares devido à pandemia! Ainda hoje recordo impressivamente o retrato em tamanho natural de uma criança de seis anos de idade, que sempre vi numa das paredes da casa do meu avô; era o do seu primogénito, um tio que nunca cheguei a conhecer.

Confesso que temi pelo que poderia acontecer, ao relembrar estes factos e que o temor durou alguns dias. Os suficientes para recuperar a convicção de que a mim, como profissional de saúde, como médico de família habituado a estar na ‘linha da frente’, não me restava outra coisa que não fosse cumprir as minhas funções e ajudar a combater esta nova doença.

Depois do medo, a lembrança da coragem do meu avô e do modo como sobreviveu a tudo isso deram-me a força necessária para enfrentar a vida, com todos os seus imprevistos.

(*) A palavra anamnese tem origem no grego ana, trazer de novo e mnesis, memória.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This