A rede do Laboratório Europeu para Sistemas Inteligentes e de Aprendizagem (ELLIS, na sigla em inglês) inclui 30 unidades de investigação em colaboração, com o objetivo de conseguir tornar a Europa mais competitiva na área.

“Na Europa, com tantos pequenos países, as coisas estão mais partidas, enquanto em grandes potências, como a China, consegue-se reunir mais massa crítica”, disse à agência Lusa o coordenador do polo da rede Ellis no Técnico, o investigador Mário Figueiredo.

A representação da rede far-se-á através do Lisbon Unit for Learning and Intelligent Systems, um consórcio que reúne o Instituto Superior Técnico, o Instituto de Telecominicações, Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Investigação de Desenvolvimento e Instituto de Sistemas e Robótica.

Advertisements

Em Portugal, a investigação em inteligência artificial liga-se especialmente com a medicina, na análise de imagens médicas, robótica industrial, mas também reconhecimento da fala e linguagem natural.

Pertencer à rede ELLIS irá “estimular a colaboração” e a realização de projetos em comum com outras instituições, partindo “do reconhecimento que já existe” da investigação do Técnico.

LUSA/HN

Share This