Esta tendência é verificada mais acentuadamente no segmento de Consumer Healthcare, que se traduziu na venda de menos 700 mil unidades, correspondente a uma perda monetária no valor de 6,53 milhões de euros, de acordo com a Health Market Research (HMR).

Dentro deste segmento, a quebra nas vendas é justificada através da redução das vendas de produtos sazonais de Personal Care, como protetores solares ou produtos de emagrecimento. Só em agosto deste ano venderam-se menos 17,8% destes produtos em relação ao mesmo mês do ano passado. Em relação ao mês de julho deste ano, a venda de protetores solares diminuiu quase para metade.

De acordo com os valores apresentados pela HMR, também o segmento Pharmaceutical registou uma quebra em volume de vendas (-7,2%) e valor (-4,4%), relativamente ao período homólogo.

No que diz respeito a medicamentos com necessidade de prescrição médica, tanto os medicamentos de marca como os genéricos apresentam uma quebra de -3,9% e -3,4% em valor, respetivamente. Em volume, venderam-se -6,4% de caixas de medicamentos de marca, e -5,4% de caixas de medicamentos genéricos.

Já para os medicamentos sem necessidade de prescrição, venderam-se em agosto de 2020 -12,6% de unidades. A venda destes medicamentos de marca caiu -11,6%, e os genéricos caíram também 11,6%.

Ainda assim, e apesar das quebras no mercado acumuladas ao longo dos últimos meses, o mercado farmacêutico apresenta uma evolução positiva para os últimos 12 meses, com um crescimento de 1,5% em volume e 3,7% em valor.

NR/João Marques

 

 

 

Share This