Nove infetados em lar para jovens com deficiência em Vizela

10 de Novembro 2020

A Câmara de Vizela revelou hoje a existência de nove casos positivos do novo coronavírus na Associação para a Integração e Reabilitação Social de Crianças e Jovens Deficientes de Vizela (AIREV).

Em comunicado, a autarquia do distrito de Braga acrescentou que a situação está “a ser monitorizada pela Delegada de Saúde” a que a autarquia “encontra-se também a acompanhar a situação”.

“Entretanto, foram já desenvolvidos todos os procedimentos para acautelar a saúde e segurança de todos os utentes daquele lar, tendo sido criados dois espaços distintos para a separação dos utentes, minimizando a propagação do vírus e assegurando as boas condições de funcionamento daquela instituição”, refere ainda a nota de imprensa.

O concelho de Vizela, “atendendo à escalada do número de infetados por aquela doença” é “um dos concelhos mais afetados do país”, relembra a comunicação do município.

“A Câmara Municipal, para além das determinações emanadas pelo Governo, tem vindo a adotar novas medidas e reforçado grande parte das medidas adotadas no âmbito do Programa de Apoio Municipal – VIZELA COVID-19”.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.263.890 mortos em mais de 50,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.021 pessoas dos 187.237 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights