Vacina da Moderna recebe luz verde da comissão independente da FDA dos EUA

18 de Dezembro 2020

Uma comissão consultiva independente da Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA, em inglês), recomendou esta quinta-feira que este órgão regulador dos Estados Unidos conceda uma autorização urgente para a comercialização da vacina da Moderna contra a Covid-19.

Segundo a agência EFE, os 22 membros da comissão consultiva independente de vacinas e produtos biológicos da FDA votaram a favor da vacina, apenas com uma abstenção.

Esta autorização para que a vacina desenvolvida pela Moderna comece a ser comercializada pode acontecer nos próximos dias.

Esta vacina está assim cada vez mais perto de se tornar a segunda a receber uma autorização urgente por parte da FDA, após a vacina da Pfizer/BioNTech ter começado a ser administrada esta semana em vários pontos dos Estados Unidos.

A Moderna indicou que, em ensaios clínicos, a sua vacina demonstrou eficácia de 94,1% na prevenção da doença e de 100% na prevenção de casos graves.

Em 15 de dezembro, a FDA tinha revelado que a vacina contra a Covid-19 produzida pela Moderna não apresentava “nenhum problema específico de segurança”.

“A FDA determinou que o fabricante forneceu informações adequadas para garantir a qualidade e consistência da vacina para autorização do produto”, explicava a agência em comunicado.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 1.649.927 mortos resultantes de mais de 74,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

SPMI diz que SNS “parece estar a desmoronar-se”

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) alertou esta segunda-feira para a crise do Serviço Nacional de Saúde. A SPMI  volta a promover o Mês da Medicina Interna, em dezembro.

Carlos Cortes defende que SNS tem de continuar a formar médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos defendeu esta segunda-feira em Setúbal que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem a obrigação de continuar a formar médicos, mesmo que muitos deles continuem a sair, a custo zero, para o setor privado. 

IL critica “cegueira ideológica” da geringonça na saúde

O presidente da IL, Rui Rocha, responsabilizou esta segunda-feira a “cegueira ideológica” da geringonça pelo estado do SNS, a poucos metros do secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, que insistiu na valorização das carreiras dos médicos.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights