Enfermeiros assinalam “exaustão” com que chegam à noite da consoada

25 de Dezembro 2020

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) assinalou hoje, no hospital Garcia de Orta, em Almada, a "exaustão" com que os profissionais chegam à noite da consoada depois de um ano marcado pela pandemia de covid-19, reivindicando medidas permanentes.

“Um dos grandes problemas que temos já nesta fase é a exaustão de quem está a trabalhar. Muitos que estão a trabalhar hoje estão a fazer turnos de doze horas ou dois turnos em vez de um, precisamente por falta de pessoal, de ausência de colegas, alguns em isolamento, outros doentes precisamente com covid”, disse à Lusa Zoraima Prado, dirigente do SEP.

De acordo com a sindicalista, o que os enfermeiros reivindicam “não são prémios, são medidas que reconheçam o risco e a penosidade de forma permanente e constante e em todos os contextos”, apontando que o prémio dado aos profissionais de saúde “é altamente discricionário”.

“Há serviços que recebem num hospital e não recebem noutro. Há colegas da mesma equipa em que uns recebem e outros não recebem, e deixa de fora a larga maioria dos enfermeiros que tem estado a dar resposta a esta pandemia”, apontou a enfermeira à Lusa.

O sindicato manifestou-se hoje à tarde no hospital Garcia de Orta, em Almada, distrito de Setúbal, e um dos motivos de descontentamento é a discriminação na atribuição do prémio, pois noutros hospitais houve “serviços que foram abrangidos”, como a urgência obstétrica, psiquiátrica e urgência pediátrica, e que, segundo a sindicalista, não o foram no hospital almadense.

De acordo com a proposta do Governo, os enfermeiros da linha da frente deverão beneficiar de um dia de férias por cada 80 horas de trabalho normal e de um dia de férias por cada 48 horas de trabalho suplementar durante o período de calamidade pública.

No serviço do Garcia de Orta, segundo as previsões da sindicalista, que atribui dados ao Governo, neste momento, “de 101 enfermeiros precários, ficam vinculados apenas três”.

“Será uma situação incomportável caso estes enfermeiros não fiquem vinculados à instituição, a curto e médio prazo”, acrescentou, reivindicando a integração de todos os trabalhadores do setor com contratos precários a nível nacional.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Greve dos pilotos de helicópteros do INEM regista 83% de adesão

A greve dos pilotos de helicópteros do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) registou 83% de adesão disse hoje o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), sublinhando que os serviços mínimos decretados não foram plenamente cumpridos.

Cabo Verde quer comunidades a liderar luta contra a Sida

Cabo Verde quer reforçar a prevenção, diagnóstico, comunicação e informação e ter as comunidades a liderar a luta contra o VIH-Sida, cuja taxa de prevalência mantêm-se nos 0,6%, com média de 400 casos anuais, disseram hoje fontes oficiais

Lançado hoje 1º episódio da série documental: “SIDA 4.0 Os anos do medo, da discriminação, do estigma e da inovação

Temas como o Aparecimento do Vírus, o Estigma e a Discriminação; O Peso das Drogas na Sociedade Portuguesa; VIH-2 e a Cooperação com os PALOP; PrEP – A Revolução na Prevenção e Para Quando a Cura, vão ser analisados por diferentes intervenientes, tendo em atenção os 40 anos sobre a infeção VIH e a Sida e das mudanças que ela trouxe à sociedade em geral e aos portugueses em particular.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights