CCB em readaptação serve de sede ao semestre português

1 de Janeiro 2021

A bandeira portuguesa ainda aguardava, há dias, o momento ‘estelar’ do seu hastear entre as 27 dos Estados-membros, num Centro Cultural de Belém a preparar-se para ser a sede da presidência portuguesa da União Europeia, que arrancou hoje.

A dias do primeiro grande momento da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), que arrancou às 00:00 de hoje, o Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, continuava a ‘aperaltar-se’ para ser o palco preferencial do ‘semestre português’.

Lá fora, limpavam-se os vidros daquele que será o centro de acreditação, enquanto as bandeiras dos Estados-membros do bloco comunitário iam sendo içadas, seguindo a ordem protocolar, da Bélgica à Suécia, num teste à tensão das cordas, para assegurar que tudo funciona no dia D: o do hastear da bandeira de Portugal.

Uma gaivota guardava aquele mastro, o mais à direita – determina o protocolo comunitário que a bandeira do país que preside à UE nesse semestre dê a esquerda a todas as outras -, situado diante da instalação que será o primeiro ponto de contacto de todos os visitantes.

Ainda cheirava a tinta no centro de acreditação, onde se iam fixando os últimos elementos decorativos, entre os quais, os balcões de cortiças, ‘envoltos’ por um ‘pôr do sol’ no mar português, com gaivotas a sobrevoar. Ali, até o teto é daquele material, um dos muitos sustentáveis e locais eleitos pela ‘máquina’ da presidência, para aquele que será o primeiro momento de encontro entre Portugal e os emissários dos restantes países da UE.

A mesma cortiça adorna a ‘led wall’ instalada na entrada principal, ideal para as fotos da ‘praxe’ nas reuniões ministeriais e que deverá ser inaugurada já no dia 05, por ocasião da visita do presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o primeiro grande momento da presidência portuguesa.

Construído para albergar a primeira presidência portuguesa, em 1992, o CCB precisou de reinventar-se para acolher o novo ‘semestre’, uma vez que as salas, projetadas para acolher apenas 12 governantes, precisam agora de ‘sentar’ 27, com o distanciamento devido em tempo de pandemia de covid-19.

Diante da sala Luís de Freitas Branco, instalaram-se os painéis verdes – aparentemente ornados com musgo – que ladearão a zona de estar, onde os governantes europeus poderão encontrar mobiliário resultante do aproveitamento de resíduo florestal, fruto de um projeto de ‘design’ sustentável.

Esses trabalhos, e os da sala, onde o primeiro-ministro, António Costa, vai receber o presidente do Conselho Europeu, e que, em 1992, recebeu as reuniões dos 12, ainda decorriam há dias, em ritmo de contrarrelógio, como acontecia a poucos passos dali, na sala Almada Negreiros, uma das poucas ‘vocacionadas’ para os conselhos ministeriais a 27.

A estrutura de missão colocou o ênfase em reequipar e modernizar as instalações existentes, de modo a prepará-las para uma presidência que será, essencialmente, digital e, após observar ‘in loco’ o trabalho dos seus predecessores – Croácia e Alemanha -, criou um ‘set up’ próprio da era covid-19.

No CCB, as salas que alojavam os serviços foram transformadas em salas de reuniões, com iluminação, e um sofisticado sistema de videoconferência, a funcionar na perfeição, que permitirá aos ministros nacionais coordenarem os trabalhos do ‘semestre português’ desde um pequeno escritório em Lisboa.

Também o centro de imprensa, para já ainda provisório e mais reduzido – há um espaço externo a aguardar a ‘luz verde’ da pandemia às reuniões presenciais -, estava a ser adaptado aos novos tempos, com as mesas reservadas aos jornalistas à espera de acrílicos que as dividam.

Omnipresente em todo o espaço, ‘graças’ aos ‘back drops’ impressos ainda antes do Natal na gráfica Europalco, o logótipo da presidência acompanha os passos dos visitantes, com o ‘leme/sol’ a recordar o lema de Portugal para o seu semestre: “É tempo de agir”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Greve dos pilotos de helicópteros do INEM regista 83% de adesão

A greve dos pilotos de helicópteros do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) registou 83% de adesão disse hoje o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), sublinhando que os serviços mínimos decretados não foram plenamente cumpridos.

Cabo Verde quer comunidades a liderar luta contra a Sida

Cabo Verde quer reforçar a prevenção, diagnóstico, comunicação e informação e ter as comunidades a liderar a luta contra o VIH-Sida, cuja taxa de prevalência mantêm-se nos 0,6%, com média de 400 casos anuais, disseram hoje fontes oficiais

Lançado hoje 1º episódio da série documental: “SIDA 4.0 Os anos do medo, da discriminação, do estigma e da inovação

Temas como o Aparecimento do Vírus, o Estigma e a Discriminação; O Peso das Drogas na Sociedade Portuguesa; VIH-2 e a Cooperação com os PALOP; PrEP – A Revolução na Prevenção e Para Quando a Cura, vão ser analisados por diferentes intervenientes, tendo em atenção os 40 anos sobre a infeção VIH e a Sida e das mudanças que ela trouxe à sociedade em geral e aos portugueses em particular.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights