João Varandas Fernandes Médico e Professor Universitário CEU/UAL

Fazer da ameaça oportunidade

02/12/2021

[xyz-ips snippet=”Excerpto”]

Fazer da ameaça oportunidade

12/02/2021 | Opinião

A pandemia é uma ameaça para a saúde pública, naturalmente, e coloca grandes desafios à sociedade, à ciência e à investigação. É, igualmente, uma enorme ameaça para o equilíbrio do Serviço Nacional de Saúde (SNS), colocando inúmeros e pesados desafios à comunidade médica, às instituições de saúde e à tutela, que procuram dar resposta à emergência sanitária, debatendo-se com um já debilitado sistema a funcionar para lá do limite dos seus recursos físicos e humanos.

Somos diariamente confrontados com serviços sobrelotados e profissionais exaustos que, ainda assim, continuam a dar o seu melhor. É certo que nenhum sistema de saúde estava preparado para enfrentar uma situação como aquela que vivemos, mas é com preocupação que vemos adiadas as respostas a outras doenças que continuam a matar em Portugal. E muito.

Na esfera pública, assiste-se a um verdadeiro campeonato de popularidade, quando estamos, afinal, num campeonato de sobrevivência. Não se reconhece a importância da informação científica e estatística, logo, navegamos à vista, rumo à incerteza. No terreno, e face a todos os desafios, começa a ser por demais evidente onde estamos inequivocamente a falhar: na estratégia e no planeamento.

Vejo, no entanto, este tempo conturbado como uma oportunidade. É, desde logo, uma oportunidade para quem, com convicção e firmeza, apontar o caminho a seguir.  É urgente um pensamento estratégico, a curto e médio prazo, para que, de forma coordenada, se dê resposta a todas as pessoas que apresentam outras doenças que não COVID-19.

Esta é uma oportunidade para se reformar o SNS. Abandonemos os preconceitos ideológicos e assumamos um Sistema Único de Saúde. Público, privado, social e, até mesmo, militar podem e devem integrar um só sistema. A transversalidade e a cooperação inter-hospitalar são essenciais para assegurar cuidados de saúde que se querem de excelência e centrados no indivíduo.

Esta é também a hora de mobilizar todos os setores da sociedade, em particular a comunidade educativa.  As Universidades e Politécnicos dão um relevante contributo na partilha de conhecimento, na especialização de profissionais, e no campo da investigação e reflexão crítica.

O futuro passa pela vigilância, controlo e prevenção. Veja-se, a título de exemplo, o trabalho da Cooperativa de Ensino Universitário (CEU), que detém a Universidade Autónoma de Lisboa. A forte aposta, neste momento, são as ciências da saúde, nomeadamente através da oferta de formação e especialização de enfermeiros na recém-integrada Escola Superior de Enfermagem S. Francisco das Misericórdias. A especialização dos profissionais contribui para a implementação de políticas de qualidade em saúde e para uma gestão sustentada na evidência.

Estamos, em simultâneo, a estudar a importância da liderança no terreno, da micro organização, se tem (ou não) resultados positivos em situações de crise, comparada com a organização centralizada e piramidal. A pandemia veio mostrar isso mesmo: a forma como os serviços se conseguiram reorganizar para dar resposta. E chamou-nos à atenção para outro aspeto muito relevante: o papel da solidariedade e da cooperação.

Um contributo que certamente dará orientações para o futuro. Um futuro que será melhor, se soubermos fazer da ameaça oportunidade.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights