04/03/2021 | Destaques, Nacional, Notícias

Tratamento com células estamais em doentes com doença ocular apresenta resultados promissores

Um ensaio clínico realizado na Turquia revela que o tratamento com células estaminais do tecido do cordão umbilical pode representar uma alternativa segura e potencialmente eficaz para melhorar a visão de doentes com atrofia ótica. O resultados foram publicados recentemente na revista médica European Journal of Ophtalmology.

De acordo com os especialistas a atrofia ótica resulta da progressão da neuropatia ótica. “A progressão da neuropatia ótica conduz à atrofia ótica, com morte das células do nervo ótico e perda irreversível de visão devido à falta de capacidade de regeneração destas células.”

A neuropatia ótica “refere-se a um conjunto de doenças decorrentes de lesão no nervo ótico, a estrutura responsável pelo transporte da informação visual captada pelo olho até ao cérebro”. Estas lesões podem ter origem hereditária, assim como traumatismos, infeções e doenças, como o glaucoma.

Com o objetivo de analisar terapêuticas inovadoras foi realizado um ensaio clínico, na Turquia, que incluiu mais de vinte doentes, em que foi analisado o papel das células estaminais do cordão umbilical na melhoria da visão de pessoas com atrofia ótica.

Desta forma o ensaio incluiu 23 doentes, com idades compreendidas entre os 19 e os 82 anos, que apresentavam atrofia ótica, com duração média de 11 anos, devido a diferentes causas, como glaucoma, traumatismo, intoxicação química e diabetes. Durante o processo, todos os participantes foram tratados com células estaminais mesenquimais numa intervenção cirúrgica sob anestesia local.

Os autores justificam a opção por células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical pelas suas múltiplas vantagens, nomeadamente a sua grande capacidade de multiplicação, baixo potencial para induzir reações imunológicas, por serem células muito jovens, e pela facilidade de obtenção, através de um processo simples e indolor, na altura do parto.

“As células estaminais mesenquimais libertam fatores de crescimento capazes de promover a sobrevivência celular e ativar mecanismos intrínsecos de reparação, sendo a terapia com estas células considerada, atualmente, como uma estratégia promissora para o tratamento de doenças que afetam o nervo ótico”, explica a Dr.ª Bruna Moreira, investigadora do Departamento de I&D da Crioestaminal.

Após o tratamento, os doentes foram sujeitos a avaliação passado 1, 3, 6 e 12 meses. A acuidade visual, que se refere à capacidade para distinguir com precisão a forma e contorno dos objetos, e o campo visual, que é a extensão do espaço que o olho consegue ver quando está parado a olhar em frente, foram dois dos parâmetros avaliados.

Os resultados deste estudo revelaram-se positivos, uma vez que os participantes apresentaram melhorias significativas na acuidade visual e no campo visual um ano após o tratamento. Os especialistas realçam que, no acompanhamento feito antes deste tratamento, estes doentes não manifestaram quaisquer melhorias nestes parâmetros no ano anterior ao estudo, sendo o seu estado de atrofia ótica considerado estável ou progressivo.

Durante os 12 meses de seguimento, não foram observados efeitos adversos graves ao nível ocular. Assim, o tratamento com células estaminais do cordão umbilical pode constituir uma alternativa segura e eficaz para melhorar a visão de doentes com neuropatia ótica e atrofia ótica.

Os autores reforçam, no entanto, a importância da realização de mais ensaios clínicos que confirmem estes resultados.

PR/HN/Vaishaly Camões

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share This