Guiné-Bissau recebeu cerca de 20.000 testes oferecidos por Portugal

6 de Março 2021

Portugal entregou hoje ao Alto Comissariado para a Covid-19 da Guiné-Bissau cerca de 20.000 testes para detetar a doença, anunciou, em comunicado, a embaixada de Portugal em Bissau.

Segundo a nota, os testes foram entregues para reforçar os “meios de diagnóstico e de rastreio” para uma “melhor, maior e pronta capacidade de resposta na deteção e tratamento dos casos de infeção”.

“Esta ação insere-se no quadro do compromisso assumido por Portugal no combate à pandemia covid-19 e na mitigação dos seus impactos” e corresponde à segunda fase do plano do apoio português aos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, lê-se no comunicado.

O Alto Comissariado para a Covid-19 da Guiné-Bissau recebeu também hoje 24.000 seringas do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) para as vacinas.

A Guiné-Bissau regista um total acumulado de 3.301 casos de covid-19 e 49 vítimas mortais.

Na sequência do aumento de casos que se tem registado desde o início do ano, o Governo guineense decidiu prolongar o estado de calamidade por mais 30 dias, até 25 de março.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.570.291 mortos no mundo, resultantes de mais de 115,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.486 pessoas dos 808.405 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Sindicatos ouvidos na Comissão de Saúde alertam para “condições muito precárias” no SNS

Os sindicatos dos trabalhadores da saúde falam em “condições muito precárias” para doentes e profissionais. O problema no SNS não é só a carreira: chove dentro de gabinetes, há cadeiras rotas e computadores que não dão resposta. “Não houve investimento na tecnologia como deveria ser”, disse Joana Bordalo e Sá, presidente da FNAM, na Comissão de Saúde.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights