“Continuamos a mobilizar todos os meios à nossa disposição para combater esta pandemia e os desafios criados pelas variantes do coronavírus”, reagiu, em comunicado, a comissária para a Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, Mariya Gabriel.

Segundo a responsável, a UE deve utilizar a sua “força conjunta” para estar “preparada para o futuro, desde a deteção precoce das variantes do coronavírus que provoca a doença Covid-19 até à organização e coordenação de ensaios clínicos para novas vacinas e tratamentos, assegurando simultaneamente a recolha e partilha correta de dados em todas as fases”.

As verbas disponibilizadas serão mobilizadas no quadro do ‘Horizonte Europa’, o programa europeu de investigação e inovação, e servirão para financiar projetos de investigação sobre as novas estirpes da Covid-19, de maneira a “responder às ameaças de curto e médio prazo e, simultaneamente, preparar o futuro”.

Segundo um comunicado do executivo comunitário, os projetos em questão deverão “desenvolver novos conhecimentos sobre o SARS-CoV-2 e as suas variantes emergentes” através da criação de grupos de estudo “de grande escala, multicêntricos, regionais ou multinacionais, incluindo além das fronteiras da Europa”.

O objetivo das verbas, além da investigação de novas variantes, será também o de desenvolver “candidatos a vacinas ou tratamentos promissores” para a Covid-19, que já tenham completado os testes pré-clínicos.

Os projetos financiados servirão ainda para “apoiar infraestruturas de investigação” que “acelerem a partilha de dados e forneçam apoio rápido à investigação e aos peritos, para enfrentar as variantes do coronavírus e estar prontos para futuras epidemias”.

“Espera-se que os consórcios selecionados colaborem com outras iniciativas relevantes e com projetos ao nível regional, nacional e internacional para maximizar as sinergias e a complementaridade, e para evitar a duplicação dos esforços de investigação”, frisa ainda a Comissão.

As candidaturas para os fundos começarão em 13 de abril e terminam em 06 de maio.

As verbas hoje anunciadas enquadram-se no âmbito da estratégia, apresentada pela Comissão Europeia em 17 de fevereiro, da Incubadora HERA [a sigla da futura Autoridade Europeia de Preparação e Resposta a Emergências de Saúde], que tem como objetivo criar um novo plano de biodefesa contra a Covid-19, assente numa melhor deteção das estirpes, maior rapidez na aprovação de vacinas e aumento da sua produção.

No âmbito dessa estratégia, o executivo comunitário tinha proposto um plano que envolve investigadores, empresas biotecnológicas, fabricantes, reguladores e autoridades públicas, para monitorizar variantes, trocar dados e cooperar na adaptação de vacinas.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.862.002 mortos no mundo, resultantes de mais de 131,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LUSA/HN

Share This