GNR acaba com festa ilegal e multa 12 pessoas no concelho de Setúbal

18 de Abril 2021

A GNR acabou com uma festa ilegal com 12 pessoas, no sábado, no concelho de Setúbal, e identificou e multou todos os participantes, por violação do dever geral de recolhimento, devido à covid-19, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o Comando Territorial de Setúbal da GNR explicou que foi o Destacamento Territorial de Setúbal que fez cessar a festa ilegal, que decorria numa habitação na localidade de Brejos de Azeitão.

Contactada pela agência Lusa, fonte da Guarda revelou que a festa reunia 12 pessoas, oito homens e quatro mulheres, com idades entre os 21 e os 36 anos.

Os militares da GNR deslocaram-se ao local “na sequência de várias denúncias de ruído” e “depararam-se com uma festa ilegal”, explicou a força de segurança, no comunicado.

“No decorrer das diligências policiais, foi possível identificar 12 pessoas que tinham alugado uma habitação com a finalidade de convívio”, acrescentou.

As 12 pessoas, “que não pertenciam ao mesmo agregado familiar”, foram identificados e, a seguir, foram alvo de autos de contraordenação elaborados pela GNR “por inobservância do dever geral de recolhimento domiciliário”.

No comunicado, a GNR recordou que o cumprimento das medidas impostas pelo estado de emergência, no âmbito do combate à pandemia de covid-19, “é fundamental para conter a propagação do vírus” SARS-CoV-2, que provoca aquela doença.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.000.955 mortos no mundo, resultantes de mais de 139,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.942 pessoas dos 830.560 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights