Moderna vai pedir à UE autorização para uso de vacina em adolescentes

23 de Maio 2021

A empresa americana de biotecnologia Moderna vai apresentar "no início de junho" um pedido de autorização na União Europeia para aplicar a sua vacina contra a covid-19 em adolescentes dos 12 aos 17 anos.

O anúncio foi feito pelo presidente executivo da Moderna, Stéphane Bancel, em declarações ao semanário francês Le Journal du Dimanche, citado pela AFP.

Considerando que “até ao verão todos os adultos que pretendam ser vacinados terão recebido a primeira dose”, Stéphane Bancel estimou que “então será necessário muito rapidamente alcançar os adolescentes dos 12 aos 17 anos”.

Atualmente apenas a vacina da Pfizer/BioNTech é autorizada para jovens entre os 16 e 18 anos na União Europeia, tendo a Pfizer solicitado autorização para uso em jovens de 12 a 16 anos, algo que já aconteceu nos Estados Unidos.

“O ideal seria protegê-los antes do final de agosto. Se não vacinarmos em massa, o risco de uma quarta vaga não pode ser descartado”, defendeu Stéphane Bancel, que chefia a área de biotecnologia desde 2011.

A partir da próxima semana, a vacina será utilizada em França fora dos centros de vacinação, por médicos e farmacêuticos, constituindo mais um passo no sentido do acesso às vacinas e da “imunidade de grupo”, garantiu.

A Moderna também está a testar a eficácia de três diferentes reforços contra quatro variantes do coronavírus, esperando os primeiros resultados no início de junho.

Bancel disse que a Moderna pode produzir três mil milhões de doses por ano, o que, adicionado aos quatro mil milhões previstos pela Pfizer/BioNTech, seria “o suficiente para vacinar todo o planeta com uma primeira dose”.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) anunciou, no começo do mês, ter começado a avaliar a administração da vacina da Pfizer/BioNTech anticovid-19 para jovens dos 12 aos 15 anos, após um pedido de alargamento do fármaco a esta faixa etária.

Espera-se que o resultado desta avaliação seja conhecido até junho, a não ser que sejam necessárias informações suplementares.

Caberá depois ao executivo comunitário tomar uma decisão final juridicamente vinculativa aplicável em todos os Estados-membros da UE.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights