Pandemia já matou 3.764.250 pessoas em todo o mundo

10 de Junho 2021

A pandemia de covid-19 já matou pelo menos 3.764.250 pessoas em todo o mundo desde que foi notificado o primeiro caso na China, em dezembro de 2019, segundo o balanço diário da agência AFP.

Mais de 174.350.990 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da epidemia, segundo o balanço feito às 10:00 TMG (11:00 em Lisboa) de hoje com base em fontes oficiais.

Atendendo ao excesso de mortalidade direta e indiretamente devido à covid-19, a Organização Mundial de Saúde estima que os resultados da pandemia possam ser duas a três vezes superiores aos registados oficialmente.

Na quarta-feira, registaram-se 10.848 novas mortes e 427.475 novos casos em todo o mundo.

Os países que registaram o maior número de novas mortes foram a Índia (6.148), Brasil (2.723) e Estados Unidos (668).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 598.765 mortes para 33.414.117 casos, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil, com 479.515 mortes e 17.122.877 casos, Índia, com 359.676 mortes e 29.183.121 casos, México, com 229.353 mortes e 2.441.866 casos, e Peru, com 187.479 mortes e 1.991.203 casos.

Entre os países mais atingidos, o Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à população, com 569 mortes por 100.000 habitantes, seguido pela Hungria (309), Bósnia (289), República Checa (282) e Macedônia do Norte (262).

América Latina e Caraíbas totalizaram hoje às 10:00 TMG (11:00 em Lisboa) 1.193.533 mortes para 34.397.187 casos, a Europa 1.147.282 mortes (53.420.746 casos), os Estados Unidos e Canadá 624.608 mortes (34.810.915 casos), Ásia 519.007 mortes (37.883.639 casos), Médio Oriente 145.326 mortes (8.821.525 casos), África 133.390 mortes (4.966.935 casos) e Oceania 1.104 mortes (50.043 casos).

Esta avaliação foi realizada com base em dados recolhidos pelos escritórios da Agência France Presse junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Devido a correções feitas pelas autoridades ou publicação tardia dos dados, os números do aumento das últimas 24 horas podem não corresponder exatamente aos publicados no dia anterior.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights