Angola adquire vacinas de dose única para tribos nómadas do sul

A ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta, disse esta segunda-feira que o país vai receber cinco milhões de vacinas da Johnson e Johnson (dose única) para administrar, entre outros, a populações nómadas das tribos do sul.

Falando no centro de vacinação Paz Flor, em Luanda, que começou hoje a administrar parte das 50 mil doses trazidas pela comitiva presidencial portuguesa na quinta-feira, Sílvia Lutucuta explicou que o país espera receber uma grande encomenda de Pfizer, via União Africana, e cinco milhões da Johnson e Johnson, sendo que esta última será dada consoante a mobilidade das populações.

“O grau de mobilidade da população também é um fator importante na decisão do tipo de vacina que iremos administrar. Para essas pessoas nós iremos dar prioridade à vacina Johnson e Johnson”, explicou.

No sul, nas províncias do Cunene e do Namibe, ainda residem populações nómadas relevantes das tribos Khoisan e Hereros que terão de ser sujeitas a programas específicos de vacinação.

Mas esta opção pela dose única “não é só no sul de Angola, também aqui em Luanda”, disse a ministra, referindo a pessoas que não tenham residência fixa.

A ministra também criticou hoje o desequilíbrio no acesso às vacinas dos países mais pobres e em vias de desenvolvimento.

“Continuamos, com todos os países africanos e não só, na luta e na corrida para o acesso às vacinas”, disse, recordando o alerta da Organização Mundial de Saúde (OMS) de que “apenas 10% dos países ficaram com mais de 75% das doses” disponíveis.

“Nós continuamos a lutar pela equidade no acesso às vacinas. Estamos a mobilizar recursos e queremos ter acesso às vacinas” de modo a “atingir imunidade de grupo”.

A ministra recusou falar em egoísmo dos países mais ricos, mas considerou que a diferença de capacidade de produção e de recursos financeiros desequilibrou a balança.

“Cada país faz o melhor que pode. Acredito que seja esse o pressuposto, mas há um grande movimento e sensibilização internacional para haver equidade no acesso às vacinas”, disse, acreditando que, “a partir de agosto, o quadro vai mudar”.

Ao longo deste período, “vamos continuar a trabalhar no sentido de ter acesso a vacinas, com contactos bilaterais e agências multilaterais”, resumiu.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This