Nações Unidas adotam primeira resolução sobre cuidados visuais

25 de Julho 2021

A Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou, na sexta-feira, a primeira resolução sobre a visão, instando os 193 países-membros a garantirem o acesso a cuidados oftalmológicos.

A decisão pretende dar resposta às mais de mil milhões de pessoas que enfrentam problemas de visão e que atualmente não têm acesso a tratamento.

A resolução “Visão para todos”, proposta por Bangladesh, Antígua e Barbuda e Irlanda, e apoiada por mais cem países, foi adotada por consenso e destaca que o acesso a cuidados oftalmológicos é essencial para atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável até 2030.

O documento – que não é vinculativo, mas demonstra “um compromisso inequívoco” global – encoraja os países a adotar uma abordagem política aos cuidados oftalmológicos e apela a doadores e instituições internacionais que disponibilizem financiamentos específicos aos países em desenvolvimento para responder ao impacto crescente da perda de visão na economia e na sociedade.

“Globalmente, estima-se que as necessidades de cuidados oftalmológicos venham a aumentar substancialmente, com metade da população mundial a viver com alguma dificuldade visual até 2050”, alertam as Nações Unidas.

Segundo a resolução, “pelo menos dois mil milhões de pessoas vivem com deficiências visuais ou cegueira e 1,1 mil milhões têm danos que podiam ter sido prevenidos ou que ainda não foram tratados”.

A resolução foi apresentada por Rabab Fatima, embaixadora do Bangladesh nas Nações Unidas, que a considerou “uma oportunidade para mudar a vida de milhões” de pessoas.

Realçando que 90% dos 1,1 mil milhões de pessoas com problemas visuais vivem em países de baixo ou médio rendimento e que mais de metade dos cegos são mulheres e meninas, a embaixadora referiu que os custos da perda de visão para a economia global atingem os 350 mil milhões de euros em produtividade, a cada ano.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Escutismo e Enfermagem: a semente que deu fruto

Lara Cunha, Enfermeira Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica, Research Fellow na Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights