Número de médicos mais do que triplicou desde o nascimento do SNS

15 de Setembro 2021

O número de médicos inscritos na Ordem (OM) mais do que triplicou nos 42 anos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), num período em que a sociedade sofreu "mudanças importantes", evocou esta quarta-feira a OM.

Em comunicado a propósito do Dia do SNS, que hoje se assinala, a OM lembra que, em 1979, ano em que nasceu o SNS, aquela ordem profissional tinha um total de 18.486 médicos inscritos, sendo que, em 2021, esse valor disparou para 59.697.

“A divisão entre homens e mulheres também conheceu importantes alterações neste período. Há 42 anos estavam inscritos 13.177 médicos e 5.309 médicas, representando os médicos 71,3% do total e as médicas 28,7%. Agora, em 2021, temos 26.340 médicos (44,1%) e 33.357 médicas (55,9%)”, indica a OM, sublinhando que a sociedade portuguesa conheceu “mudanças importantes” em várias áreas, nomeadamente na demografia dos profissionais de saúde.

De acordo com a OM, também a distribuição dos médicos nas várias regiões do país sofreu mudanças. Em 1979, 52,8% dos médicos estavam inscritos na região Sul, 31,0% no Norte e 16,2% no Centro. Agora, 46,5% estão no Sul, 36,7% no Norte e 16,8 no Centro.

O bastonário da OM, Miguel Guimarães comentou, por escrito, que “a formação médica conheceu uma expansão muito significativa no número de novos médicos, com o maior número de médicos formados a norte a ter impacto na distribuição por regiões”.

Disse ainda que, em termos de qualidade, “pesem embora bastantes dificuldades que são conhecidas, a dedicação dos estudantes (de Medicina) e médicos, e de todos os professores e tutores que os acompanham neste processo, tem permitido ultrapassar o subfinanciamento e o défice no capital humano”.

Miguel Guimarães precisou que “desde 2007 que o número de novos médicos disparou, registando-se nesse ano mais 1.005 novos médicos, quando na década de 90 chegaram a ser pouco mais de 200 por ano”.

Frisou que o número de médicos “tem continuado a crescer sustentadamente” e, desde 2015, que todos os anos entram para a OM mais de 1.700 novos clínicos.

“Neste dia especial, do aniversário do SNS, gostaria de deixar uma palavra de reconhecimento e gratidão a todos os médicos que de forma direta ou indireta contribuíram e continuam a contribuir para que os portugueses tenham uma melhor saúde. Uma palavra especial para todos os que foram mais afetados neste ano e meio de pandemia, em particular deixo a minha homenagem aos que perderam a vida a salvar vidas”, enfatizou o bastonário.

Nas palavras do bastonário, a OM tem “um capital humano de excelência que faz toda a diferença nos locais onde está”, seja no setor público, privado, social ou na investigação, embora reconheça que “gostaria de ver o poder político a fazer mais para que o SNS volte a ser o local de excelência onde os médicos querem desenvolver a sua carreira e o seu percurso profissional”.

“O nosso problema, como se vê pelos dados, não está na falta de médicos, mas sim na capacidade de os atrair para o SNS”, apontou Miguel Guimarães.

LUSA/HN

1 Comment

  1. Alexandre Zacarias

    Tenho a cédula profissionsal nº 19265 da Ordem dos Médicos, com data de inscrição na Ordem dos Médicos 06-12-1978.
    Como é que em 1979 apenas estavam inscritos 18486 médicos?

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights