22/09/2021 | Lusa, Lusofonia, Notícias

Oito diretores do principal hospital da Guiné-Bissau demitiram-se de funções

Oito diretores de todos os serviços do principal hospital da Guiné-Bissau, Simão Mendes, em Bissau, demitiram-se na terça-feira das suas funções por discordarem da forma como os seus lugares foram ocupados por militares recrutados pelo Governo.

Os técnicos de saúde pública guineense iniciaram, na segunda-feira, um boicote “por tempo indeterminado”, sem prestar serviço mínimo, deixando os doentes nos hospitais e centros de saúde sem assistência.

Perante a situação, que o Governo considerou criminosa, foram chamados médicos militares para atender os doentes no Simão Mendes.

Os diretores dos serviços agora demissionários endereçaram ontem uma carta ao diretor-geral do hospital, Sílvio Coelho, para mostrar a sua insatisfação pela forma como os seus lugares foram ocupados por colegas militares.

“Fomos surpreendidos e sem nenhuma informação prévia com a ocupação dos nossos serviços por técnicos militares”, lê-se na carta enviada ao diretor-geral do Simão Mendes, a que a Lusa teve acesso.

Os diretores demissionários são os dos serviços de urgência, ortotraumatologia, medicina interna, cirurgia geral, anestesia e blocos, cuidado intensivo, pediátrico e maternidade.

Entre outras exigências, os técnicos de saúde reivindicam o pagamento de salários e subsídios em atraso, o seu enquadramento efetivo no chamado Estatuto do Pessoal de Saúde e melhoria de condições nos centros de atendimento aos doentes de Covid-19.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share This