OMS lança processo de elaboração da Estratégia de Cooperação com Angola

29 de Setembro 2021

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e os seus parceiros lançaram esta quarta-feira, em Luanda, o processo de elaboração da Estratégia de Cooperação com Angola, para o período 2022-2026, visando “fortalecer sinergias” para melhoria da saúde no país africano.

Em comunicado de imprensa, enviado hoje à Lusa, a OMS diz que a referida estratégia deve também definir “linhas orientadoras que vão contribuir para a melhoria da saúde em Angola”.

Segundo a OMS, a Estratégia de Cooperação representa a visão estratégia desta agência da ONU a médio prazo e deverá incorporar os desafios antigos e novos e estar alinhada às prioridades do país africano definidas no Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário (PNDS), nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e em outros documentos estratégicos.

Para a coordenadora residente do Sistema das Nações Unidas em Angola, Zahira Virani, citada no comunicado, “é importante dar resposta aos desafios da saúde de forma planeada, inclusiva e duradoura”.

“A parceria é aqui a palavra-chave. Tem de ser um esforço coletivo do Governo, da OMS, das organizações, do ser privado e de todos os parceiros da Saúde para que juntos possamos alcançar as metas preconizadas para a melhoria da saúde dos angolanos”, defendeu Zahira Virani.

Por seu lado, a ministra da Saúde angolana, Sílvia Lutucuta, considerou, segundo o documento, que a OMS “tem desempenhado um papel preponderante no apoio ao Governo angolano em áreas críticas como a vigilância integrada das doenças e resposta às emergências de saúde pública, reforço do Sistema Nacional de Saúde e no controlo das doenças transmissíveis e não transmissíveis”.

A representante da OMS em Angola, Djamila Cabral disse, durante a cerimónia de lançamento da estratégia, que a iniciativa “é uma manifestação de apoio incondicional e compromisso de todos para a melhoria da saúde dos angolanos”.

A Estratégia de Cooperação da OMS, sublinha-se na nota, “é uma ferramenta poderosa que promove diálogo para além do setor da saúde, permite aos parceiros estratégicos identificar os constrangimentos a nível do setor, colocar Angola no centro de trabalho da OMS e desenvolver um plano que priorize a assistência técnica para as áreas mais críticas do Sistema de Saúde”.

O comunicado refere ainda dados preliminares da avaliação independente das atividades desenvolvidas pela OMS em Angola, nos últimos cinco anos, que mostram que “apesar dos desafios enfrentados” devido à crise financeira mundial e as situações adversas emergenciais que afetaram o país, a intervenção da OMS para a melhoria da saúde em Angola “tem sido fundamentalmente satisfatória”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Viseu necessita de seis pediatras para reabertura de urgência

O diretor clínico da administração demissionária da Unidade Local de Saúde (ULS) Viseu Dão-Lafões admitiu hoje a necessidade imediata de seis pediatras para o normal funcionamento do serviço de urgência daquela especialidade que está encerrado ao exterior no período noturno.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights