Ministério da Saúde indiano anuncia número mais baixo de casos desde março

12 de Outubro 2021

A Índia registou 14.313 novas infeções pelo coronavírus da Covid-19 nas últimas 24 horas, o número mais baixo desde 02 de março, anunciou hoje o Ministério da Saúde do país asiático.

Trata-se da primeira vez em sete meses que o número de novas infeções cai abaixo dos quinze mil casos, depois de a Índia ter sido o epicentro global da pandemia em abril e maio.

Apesar da queda nos casos relatados hoje, a Índia totaliza agora 33,9 milhões de casos desde o início da pandemia, segundo a agência de notícias espanhola EFE.

O estado de Querala, na costa ocidental, contabilizou quase metade dos novos casos do boletim de hoje, 6.996, depois de ter sofrido um surto entre agosto e setembro, com mais de trinta mil casos num dia.

O Ministério da Saúde indiano também comunicou 181 mortes nas últimas 24 horas a nível nacional, o que eleva o número total de mortos para 450.963.

Apenas os Estados Unidos da América, com 44,4 milhões de infeções segundo a Universidade Johns Hopkins, excedem a Índia em termos absolutos.

As infeções e mortes registadas nas últimas semanas na Índia contrastam com os números máximos durante a segunda vaga de Covid-19 entre abril e maio, quando mais de 400 mil casos e quatro mil mortes foram relatados diariamente.

A Índia é o segundo país mais populoso do mundo, com 1,3 mil milhões de pessoas, depois da China (1,4 mil milhões de pessoas).

A segunda vaga da doença na Índia deixou imagens de hospitais à beira do colapso e crematórios superlotados, bem como uma escassez de oxigénio médico e camas de cuidados intensivos em algumas partes do país.

Apesar do declínio dos casos, as autoridades indianas manifestaram-se preocupadas de que possa surgir uma nova vaga de infeções com a realização de festividades religiosas em todo o país, como o Navaratri, entre 07 e 15 de outubro, e o Diwali, a partir de 03 de novembro.

A disponibilidade limitada de vacinas tem sido um fator importante no plano de vacinação na Índia, que enfrentou, durante meses, sérios problemas para satisfazer a sua procura local, apesar de ser conhecida como a “farmácia do mundo” e albergar a maior fábrica de vacinas do mundo.

Até à data, a Índia administrou 958 milhões de vacinas contra o coronavírus, embora apenas 272 milhões de pessoas tenham recebido o regime completo.

A nível mundial, a Covid-19 matou mais de 4,8 milhões, em mais de 237,7 milhões casos, segundo um balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado na China no final de 2019.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights