Mais um óbito e cinco novos casos em Moçambique

17 de Outubro 2021

Moçambique registou mais uma morte associada ao novo coronavírus e mais cinco casos de infeção nas últimas 24 horas, anunciou este domingo o Ministério da Saúde em comunicado.

O óbito foi declarado no sábado e a vítima é uma moçambicana de 14 anos, referiu o ministério no comunicado de atualização diária de dados sobre a pandemia.

De acordo com o documento, o número de óbitos em Moçambique desde o início da pandemia sobe para 1.926 e o de casos para 151.102, dos quais 98% recuperados.

O país tem ainda 985 casos ativos do coronavírus SARS-CoV-2. Oito doentes estão internados.

Desde março do último ano, um total de 926.360 casos suspeitos foram testados em Moçambique, dos quais 760 nas últimas 24 horas.

A Covid-19 provocou mais de 4,8 milhões de mortes em todo o mundo, entre mais de 239 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights