Governo de Macau começa a administrar terceira da dose da vacina na próxima semana

4 de Novembro 2021

Macau vai lançar, na terça-feira, a terceira dose da vacina contra a Covid-19, em duas etapas, anunciaram hoje as autoridades.

Na primeira etapa, a terceira dose vai abranger três grupos específicos: “trabalhadores em posições de alto risco, pessoas com imunidade relativamente baixa e aqueles com imunidade severamente restringidas”, disse o médico Tai Wa Hou, na conferência de imprensa semanal do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus.

“Numa estimativa muito superficial, estes três grupos poderão representar cerca de 100 mil pessoas. Mas este é um número que não posso garantir”, salientou o responsável.

As pessoas abrangidas podem escolher entre a vacina inativada (Sinopharm), a mais pedida pela população local, e a vacina com mRNA (mensageiro RNA) da BioNTech, devendo escolher o mesmo tipo de vacina.

Até agora, 361.897 pessoas completaram as duas doses de vacinação em Macau, onde foram detetados 77 casos de Covid-19, desde o início da pandemia. O território tem mais de 680 mil residentes.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.012.784 mortes em todo o mundo, entre mais de 247,54 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.180 pessoas e foram contabilizados 1.092.666 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights