Longas filas esperaram em Lisboa pela abertura do maior centro de vacinação do país

1 de Dezembro 2021

O maior centro de vacinação do país, com capacidade para atender seis mil pessoas por dia, abriu hoje no Pavilhão 4 da feira internacional de Lisboa, registando longas filas de espera horas antes da abertura.

No entanto, a partir das 09:00, a hora de abertura do centro, as filas, uma para quem tinha agendamento e outra para quem aderiu à modalidade ‘casa aberta’, foram dispersando, com o atendimento dos utentes.

Eunice Carrapiço, diretora executiva do Agrupamento Centros Saúde de Lisboa Norte, destacou que este novo centro tem capacidade para vacinar contra a covid-19 mais de 6.000 pessoas por dia, cerca de 3.000 na modalidade ‘casa aberta’ e outras 3.000 com agendamento, muitas das quais para dupla vacinação, contra a covid-19 e a gripe sazonal.

“Tentaremos sempre que não haja fila nem espera para as pessoas que já tinham uma hora agendada para a vacina. Relativamente às pessoas que vêm a modalidade ‘casa aberta’, todas as pessoas com mais de 70 anos ou mais de 50 anos que vêm fazer a segunda dose da ‘Johnson’, pessoas com prescrição médica, pessoas que vêm fazer a primeira dose ou a segunda dose contra a covid-19, também para essas tentaremos vacinar o maior número de pessoas hoje e nos próximos dias. Naturalmente que, dependendo da afluência, poderão ter um maior ou menor tempo de espera, mas tentaremos que seja o menor tempo de espera possível”, afirmou.

O novo centro substitui três outros com menor capacidade, que foram encerrados: o Pavilhão 3 do Estádio Universitário, o do Picadeiro Real e o dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa.

Segundo Eunice Carrapiço, no pavilhão da FIL trabalham cerca de 200 pessoas ao longo do dia, dos quais 135 são profissionais de saúde.

O pavilhão está aberto todos os dias entre as 09:00 e as 19.00.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights