Fenprof questiona ministério sobre casos de isolamento nas escolas

3 de Dezembro 2021

A Fenprof questionou o Ministério da Educação sobre a situação sanitária nas escolas, lembrando o aumento de casos de Covid-19 que afetam a comunidade escolar com cada vez mais situações de isolamento e quarentena.

Na quinta-feira, com Portugal novamente em estado de calamidade, a Federação Nacional dos Professores pediu à tutela a lista das escolas e jardins-de-infância onde foram identificados casos de Covid-19, desde setembro, quando começaram as aulas.

Em comunicado, a Fenprof acrescenta que fez outras perguntas tais como saber quantos docentes, trabalhadores não docentes e alunos (em cada estabelecimento) foram infetados e quantas turmas ficaram em isolamento na última quinzena (entre 16 a 30 de novembro).

O “número global de docentes, de alunos e de trabalhadores não docentes das escolas que, nesse período, estiveram em isolamento ou quarentena” é outro dos dados pedidos pela estrutura sindical que recorda que no passado fez perguntas semelhantes e só obteve respostas depois de recorrer a tribunal.

A realização de testes de despistagem nas escolas e a vacinação de professores e pessoal não docente com uma dose de reforço da vacina contra a Covid-19 são outras das exigências que têm sido feitas pela Fenprof que volta a reivindicar estas medidas.

Recordando que o teletrabalho é recomendado desde 1 de dezembro, a Fenprof pergunta ainda ao ministério se já recomendou às escolas que as reuniões de trabalho, como as de avaliação dos alunos, se realizem online.

Na semana passada a Lusa revelou que havia escolas que tinham decidido, no início do ano letivo, que as reuniões seriam todas online mas havia outras que queriam manter os encontros presenciais e que só recuariam se houvesse um agravamento da situação pandémica.

Sobre as alterações do calendário escolar – que agora prevê o prolongamento da pausa de natal por mais uma semana – a Fenprof questiona se as escolas que se organizam por semestres podem adequar o momento previsto para a avaliação dos alunos?

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Luís Meira diz que Força Aérea não tinha meios para ajudar INEM

O presidente demissionário do INEM revelou hoje que quando o instituto foi forçado a reduzir o serviço de helicópteros durante a noite, no início do ano, contactou a Força Aérea, que disse não ter meios para poder garantir a resposta necessária.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights