Manifestantes contra medidas para travar a pandemia atacam jornalistas em Berlim

4 de Dezembro 2021

Pelo menos cinco jornalistas e fotojornalistas ficaram com ferimentos ligeiros, atacados por manifestantes que contestavam este sábado, em Berlim, as medidas para travar a Covid-19 anunciadas pelo Governo alemão, um protesto não autorizado.

A Associação de Jornalistas da Alemanha (DJV) manifestou-se solidária com as vítimas das agressões, que tiveram lugar em vários incidentes, registados em vídeo e divulgados nas redes sociais pelos jornalistas que cobriam o protesto.

“Há que atuar de forma clara e consequente contra antidemocratas, que inventam conspirações e contra inimigos dos ‘media'”, escreveu a DVJ na sua conta no Twitter, ao mesmo tempo que agradeceu à polícia, que deteve os agressores.

Diversos grupos detratores das medidas adotadas pelo Governo convocaram uma manifestação para hoje na capital alemã com o lema “Não à vacinação obrigatória”, um protesto que acabou por não ser autorizado na sexta-feira.

“Os participantes demonstraram repetidamente, numa série de manifestações, que não cumprem as normas de proteção”, justificou a polícia de Berlim, numa nota de imprensa para explicar a sua decisão.

Apesar disso, vários grupos, o maior dos quais “com várias centenas de pessoas”, segundo declarou à agência EFE um porta-voz da polícia, saltaram as barreiras das forças de segurança e desfilaram em direção ao centro de Berlim, onde estavam concentrados contra-manifestantes de esquerda.

Nos últimos dias têm-se repetido em todo o país concentrações contra as medidas destinadas a travar o avanço da pandemia e contra a vacinação obrigatória que poderá ser adotada.

Muitos dos protestos não conseguiram reunir mais do que centenas de pessoas, mas foram abundantes os incidentes com a polícia, que intervém com frequência por se tratar de protestos não autorizados ou por os participantes não cumprirem as normas de segurança.

Na sexta-feira à noite, um grupo de 30 manifestantes concentrou-se em frente à residência de uma responsável de saúde da Saxónia, Petra Köpping, empunhando tochas.

O ato foi duramente condenado por representantes de todos os partidos, exceto da extrema-direita.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights