Câmara de Mértola promove testes gratuitos “porta-a-porta” para evitar riscos no Natal

14 de Dezembro 2021

A Câmara de Mértola, no distrito de Beja, vai promover uma campanha de testagem gratuita porta-a-porta à Covid-19, ao longo das próximas semanas, para garantir que as famílias possam reunir-se em segurança nesta época festiva.

O projeto, desenvolvido através da Unidade Móvel Médico Social do município alentejano, arranca a 20 de dezembro e prolonga-se até dia 07 de janeiro.

A campanha será dinamizada em três momentos, o primeiro de 20 a 23 de dezembro, depois de 27 a 30 de dezembro e, finalmente, de 03 a 07 de janeiro de 2022.

Segundo o presidente da autarquia, Mário Tomé (PS), o objetivo da iniciativa é “assegurar” que quem visita o concelho “o faça em segurança”.

E para “que não se corram riscos de alguém que vem do exterior”, nomeadamente “de centros urbanos onde existe uma incidência maior [de covid-19]”, poder “transportar o vírus para Mértola”, acrescentou.

Nesse sentido, “a pessoa liga-nos e, antes de ter o contacto com a família, faz a testagem”, sendo que, “se houver alguma dúvida em termos de testes rápidos”, será “encaminhada para fazer teste PCR em Beja”, acrescentou Mário Tomé.

A diferenciação desta resposta é mesmo o facto de o teste ser realizado à porta de casa de quem o requisita, uma vez que a Unidade Móvel Médico Social de Mértola não vai estar “parada” na sede de concelho.

“Esta opção tem a ver com a dimensão geográfica do concelho e também com a noção que temos do quanto isto é importante, pois, as pessoas depois podem não se deslocar ou vir” fazer o teste a Mértola, explicou Mário Tomé.

O autarca disse ainda que tudo será feito “para testar todos aqueles que venham de fora para o concelho de Mértola e corram o risco de fazer alastrar a infeção” pelo coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19.

Para a concretização deste projeto, a Câmara de Mértola contratou um enfermeiro.

A covid-19 provocou pelo menos 5.304.397 mortes em todo o mundo, entre mais de 269 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18 687 pessoas e foram contabilizados 1.200.193 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 57 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights