Comissão Europeia autoriza quinta vacina na UE após ‘luz verde’ da EMA à Nuvaxovid

20 de Dezembro 2021

A Comissão Europeia autorizou esta segunda-feira a utilização da vacina Nuvaxovid, a quinta contra a Covid-19 a ser comercializada na União Europeia, na sequência do parecer positivo da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), dado horas antes.

Em comunicado, o executivo comunitário adianta que concedeu uma autorização condicional de comercialização para a vacina Nuvaxovid, desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Novavax, na sequência de uma recomendação científica positiva da EMA após uma avaliação exaustiva da segurança, eficácia e qualidade da vacina.

O executivo comunitário acrescenta que a decisão é apoiada pelos Estados-membros.

“Numa altura em que a variante Ómicron está a espalhar-se rapidamente, e em que precisamos de intensificar a vacinação e a administração de doses de reforço, estou particularmente satisfeita com a autorização de hoje da vacina Novavax”, comentou a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen.

Para Ursula von der Leyen, esta quinta vacina “oferece aos cidadãos europeus uma proteção adicional bem-vinda contra a pandemia. Que esta autorização ofereça um forte incentivo a todos os que ainda não foram vacinados, ou não receberam a dose de reforço, no sentido que é agora o momento de o fazer”, acrescentou a presidente da Comissão Europeia.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) aprovou hoje a comercialização na UE da vacina Nuvaxovid, da farmacêutica norte-americana Novavax, contra a Covid-19, para pessoas com mais de 18 anos.

A autorização de entrada no mercado foi dada após a EMA ter concluído que os dados sobre a vacina eram robustos e satisfaziam os critérios da UE em termos de eficácia, segurança e qualidade, segundo um comunicado.

A avaliação teve início, num prazo acelerado, em 17 de novembro, sendo a Nuvaxovid a quinta vacina a receber autorização para ser comercializada na UE.

No seu conjunto, os resultados de dois estudos mostram uma eficácia vacinal para Nuvaxovid de cerca de 90% para a estirpe original do SARS-CoV-2 e algumas variantes preocupantes como Alpha e Beta.

Os dados em relação à eficácia da vacina contra outras variantes preocupantes, incluindo a Ómicron, são ainda limitados, sublinha a EMA.

A Nuvaxovid é uma vacina que contém suficientes fragmentos de uma proteína que é exclusiva do vírus para que o sistema humanitário a reconheça e responda produzindo defesas contra a infeção pelo SARS-CoV-2.

A autorização é válida para os 27 Estados-membros, mas a vacina da Novavax não deverá ser utilizada em Portugal uma vez que, segundo foi adiantado em julho, não está incluída no planeamento da vacinação contra a Covid-19.

Na UE está autorizada a comercialização de quatro vacinas anticovid-19: Pfizer BioNtech, Moderna, Astrazeneca e Johnson&Johnson.

A Covid-19 provocou mais de 5,35 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.796 pessoas e foram contabilizados 1.227.854 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como preocupante pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em pelo menos 89 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights