Investigadores portugueses desenvolvem técnica pioneira no tratamento do cancro da próstata

Uma equipa de investigadores do German Cancer Research Center (DKFZ), na Alemanha, desenvolveu uma técnica inovadora para o tratamento do cancro da próstata, através da verificação do alcance dos protões, em tempo real e no corpo humano, durante a terapia de protões utilizada no combate à doença.

Paulo Magalhães Martins, investigador do Instituto de Biofísica e Engenharia Biomédica (IBEB) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, é um dos investigadores desta equipa, assinando como primeiro autor dois artigos publicados sobre o tema, na Scientific Reports e na Scientific Data, sendo que a primeira autoria deste último artigo é partilhada com Hugo Freitas, estudante de doutoramento no DKFZ.

A equipa é liderada por João Seco, professor da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, e integra também Stephan Brons, Benjamin Ackermann e Thomas Tessonnier, físicos médicos do Heidelberg Ion-Beam Therapy Center (HIT) do Heidelberg University Hospital, na Alemanha.

A terapia de protões é usada nos tumores mais difíceis de atingir e de tratar. No entanto, a elevada energia dos feixes de protões pode danificar células saudáveis em redor do tumor, o que reveste de enorme importância a verificação da distribuição da dose dada ao tumor. No caso do cancro da próstata, uma elevada dose aplicada à região retal está associada a um aumento da toxicidade gastrointestinal. A espectroscopia com radiação prompt gamma (PGS) permite medir desvios absolutos do alcance dos protões durante a terapia de protões. O objetivo é ter uma resposta, em tempo real, de forma a que eventuais movimentos dos órgãos sejam identificados e a sua irradiação seja evitada. Esta técnica assume uma particular importância no tratamento com protões do cancro da próstata.

Os investigadores têm vindo a trabalhar sobre o uso da técnica PGS para monitorizar a exposição da região retal à irradiação dos protões durante o tratamento deste cancro, tendo investigado o uso de um balão endoretal, usado normalmente para estabilizar o movimento da próstata, mas neste caso enchido com uma solução de dióxido de silício e inserido num fantoma da próstata – objeto inorgânico comumente utilizado para avaliar a performance de sistemas de radioterapia e medicina nuclear.

Os resultados demonstraram que o balão com a solução de dióxido de silício poderia ser usado como sonda para verificação do alcance dos protões durante uma sessão convencional de tratamento. Os investigadores validaram o método para vários ângulos de irradiação. Esta avaliação em tempo real da resposta poderá permitir aos médicos decidir se devem continuar ou corrigir o tratamento no sentido de evitar efeitos secundários gastrointestinais.

Mais informações no site da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

PR/HN/Rita Antunes

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This