Esta nova parceria entre a CML, a Faculdade de Ciências da UL e a FCiências.ID possibilida a todos os cidadãos, instituições de ensino e organizações públicas e privadas “a cocriação de novos conceitos para os cidadãos e para Lisboa através do conhecimento científico. Esta parceria pretende promover a formação, capacitação, experimentação, prototipagem, prova-de-conceito, aceleração e criação de negócios na área da Biotecnologia e BioMaking.”

Entre as ações previstas pelo BioLab Lisboa é de esperar “dias abertos”, de modo que “a comunidade possa ativamente realizar os seus projetos e testar as suas próprias ideias; e a implementação de um programa ambicioso de workshops sobre as mais diversas temáticas, com o objetivo de capacitar os cidadãos para os conceitos emergentes da cidade do futuro”. No dia 18 está previsto um dia aberto dedicado aos bioplásticos.

Para Luís Carriço, diretor da Ciências ULisboa “esta iniciativa é crucial para a integração do cidadão no ecossistema de inovação, de modo a que todos juntos possamos produzir o conhecimento que nos ajudará a criar a cidade do amanhã. Uma cidade mais segura, resistente e resiliente aos futuros desafios societais”.

“O investimento em inovação é absolutamente fundamental para a competitividade da nossa Lisboa. Este Bio Lab que agora inauguramos, e que a todos deve orgulhar, permitirá dotar a cidade de maior capacidade de conhecimento científico e soluções inovadoras em áreas cruciais. Deve ser visto como mais um passo, numa estratégia global e consolidada, para criar em Lisboa um polo de inovação europeu, que permita atrair mais empreendedores, investimento e talento”, diz ainda Carlos Moedas, presidente da CML.

A Biotecnologia é uma área científica emergente, que permite desenvolver tecnologias baseadas em processos e conhecimentos biológicos, que ajudam a melhorar a vida dos cidadãos, bem como o planeta.

A Biotecnologia moderna providencia produtos, serviços e tecnologias inovadores para melhorar a condição de saúde e bem-estar, combater doenças, reduzir a pegada ecológica, alimentar populações, usar menos energia e/ou energia mais limpa, assim como atingir processos de fabrico mais eficientes, limpos e seguros.

PR/HN/Vaishaly Camões

Share This