29/01/2022 | Covid 19, Lusa, Mundo, Notícias

Ottawa recebe ‘comboio da liberdade’ em protesto contra medidas sanitárias

Os primeiros manifestantes do ‘comboio da liberdade’, que começou como um protesto de camionistas à vacinação obrigatória contra a covid-19, chegaram esta sexta-feira à capital do Canadá, juntamente com opositores às medidas de combate à pandemia em geral.

O principal grupo de manifestantes, composto por várias centenas de camiões e outros veículos, deixou a cidade de Kingston de manhã e alguns já começaram a chegar a Ottawa, pouco antes das 13:00 locais (18:00 em Lisboa).

Outros grupos, que se dirigem desde o leste do país, vão juntar-se a esta coluna de camiões na capital do Canadá.

Este protesto começou promovido por camionistas, após a decisão do governo canadiano em exigir a vacinação contra a covid-19 a estes profissionais que atravessam a fronteira com os Estados Unidos.

No entanto, nos últimos dias, outros grupos aderiram à manifestação, como canadianos que se opõem à vacinação em geral ou às restrições impostas para conter a pandemia de covid-19.

As autoridades canadianas já colocaram barreiras em frente ao parlamento, de forma a controlar os milhares de pessoas esperadas naquele local, onde vai terminar a manifestação que percorreu o país.

O chefe da polícia de Ottawa, Peter Sloly, alertou que as forças de segurança estão prontas para qualquer contingência e que não vão tolerar atos de violência.

“Estamos preparados para investigar, deter se necessário, acusar e processar qualquer pessoa que atue com violência ou infrinja a lei durante as manifestações”, atirou, em conferência de imprensa, citado pela agência EFE.

Peter Sloly revelou ainda que a polícia está a trabalhar em conjunto com os serviços de inteligência canadianos para identificar extremistas que estejam inseridos no ‘Comboio da Liberdade’ e que têm publicado ‘online’ declarações ameaçadoras.

O responsável pela segurança do parlamento alertou na quinta-feira os deputados que alguns manifestantes podem tentar invadir os seus gabinetes e até as suas casas, recomendando que estes encontrem “um lugar seguro” nos próximos dias.

A coluna principal é composta por cerca de 120 camiões e mais de 400 carros, referiram as autoridades

Alguns membros do Partido Conservador do Canadá também manifestaram apoio a este protesto e descreveram o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, como uma ameaça à liberdade.

Canadá e Estados Unidos anunciaram há duas semanas que os camionistas que cruzam regularmente a fronteira para o transporte de mercadorias entre os dois países terão que estar vacinados.

Até agora, estes profissionais estavam isentos da exigência de quarentena na chegada a cada um dos países.

Estes camionistas manifestantes tiveram um apoio inesperado na quinta-feira, do empresário norte-americano Elon Musk, através da rede social Twitter.

O CEO da Tesla já tinha no passado apelidado como “facistas” as medidas dos Estados Unidos contra a covid-19.

A covid-19 provocou mais de 5,63 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

NR/HN/LUSA

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This