03/02/2022 | Destaques, Nacional, Notícias

Sociedade Portuguesa de Medicina Interna organiza Curso de Abordagem na Fase Aguda do Acidente Vascular Cerebral

O Núcleo de Estudos de Formação em Medicina Interna (NEForMI) da SPMI vai realizar o Curso de Abordagem na Fase Aguda do Acidente Vascular Cerebral nos dias 11 e 12 de março. A formação, em Lisboa, terá entre 20 e 30 formandos.

“A Doença Vascular Cerebral é a principal causa de mortalidade e incapacidade permanente em Portugal. A cada hora três portugueses sofrem um Acidente Vascular Cerebral, um deles não sobrevive, e metade dos sobreviventes ficará com sequelas incapacitantes”, frisa Luísa Fonseca, coordenadora do NEDVC.

A identificação precoce dos doentes com AVC é, por isso, “extremamente importante” no “sentido de permitir o acesso rápido a cuidados diferenciados, sendo também necessário realizar uma correta investigação etiológica, de modo a determinar o tratamento mais adequado, com vista a diminuir a recorrência”, adverte a médica internista.

No final do Curso de Abordagem na Fase Aguda do Acidente Vascular Cerebral, entre outros conhecimentos e ferramentas, os formandos serão capazes de “rapidamente reconhecer os doentes com Acidente Vascular Cerebral agudo e os critérios de ativação da Via Verde de AVC; proporcionar o tratamento mais adequado aos doentes com AVC (isquémico ou hemorrágico) na fase hiperaguda e na fase aguda; realizar uma correta avaliação etiológica para cada tipo de patologia e para cada doente; propor o melhor tratamento para prevenção secundária de cada um dos tipos de doença Vascular Cerebral” e “identificar e tratar as complicações médicas e neurológicas mais frequentes na fase aguda”, enumera Luísa Fonseca.

O curso é composto por sessões expositivas “de cada um dos temas abordados: via verde AVC; AVC isquémico e AIT; AVC hemorrágico, hemorragia intraparenquimatosa e hemorragia subaracnoideia; trombose venosa cerebral e complicações médicas e neurológicas na fase aguda do AVC”.  Durante a formação, que terá um mínimo de 20 e um máximo de 30 formandos, serão também apresentados casos clínicos, “para tornar as sessões mais interativas e permitir a aplicação dos conhecimentos adquiridos”, conclui Luísa Fonseca.

O curso destina-se a médicos internos ou especialistas de Medicina Interna, médicos de outras especialidades médicas e a médicos do Ano Comum.

Mais informações aqui.

PR/HN/Rita Antunes

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This