Brasil recua e diz que casos de Deltacron ainda não foram confirmados

16 de Março 2022

O ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, que na terça-feira anunciou as primeiras infeções da variante Deltacron do coronavírus SARS-CoV-2 no país, recuou hoje e esclareceu que os casos ainda são classificados como suspeitos.

“Os dois casos de Deltacron que citei mais cedo ainda estão em investigação e foram notificados ao @minsaude pelos estados. O sequenciamento total do vírus deve ser finalizado nos próximos dias pelo laboratório de referência nacional da Fiocruz [Fundação Oswaldo Cruz]”, escreveu Queiroga, numa mensagem nas suas redes sociais.

O ministro insistiu que, em todo o caso, “não há motivos para preocupação”, uma vez que a variante Deltacron, fruto de uma fusão entre as variantes Delta e Ómicron, não é tão grave, como admite a própria Organização Mundial de Saúde (OMS).

Na terça-feira, Queiroga havia dito a jornalistas que ambos os casos foram registados no norte do país, nos estados amazónicos do Pará e Amapá, que fazem fronteira com Suriname e Guiana Francesa.

Queiroga até vinculou indiretamente essa condição de fronteira as infeções e, embora não tenha especificado que se trata de casos importados, ressaltou que a nova variante “está mais presente na França e em outros países europeus.”

O Brasil é um dos países mais afetados pela pandemia no mundo, com pelo menos 655.585 mortes e 29,4 milhões de casos.

Nas últimas semanas, após uma melhora constante da situação, a maioria das cidades do país flexibilizou quase completamente as restrições e eliminou o uso obrigatório de máscaras ao ar livre, medida que no Rio de Janeiro foi inclusive estendida a espaços fechados.

A Covid-19 provocou pelo menos 6.011.769 mortos em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Chamadas de telemóvel associadas a um maior risco de hipertensão arterial

Advertisement

Falar ao telemóvel durante 30 minutos ou mais por semana está associado a um aumento de 12% do risco de hipertensão arterial em comparação com menos de 30 minutos, de acordo com um estudo publicado no European Heart Journal – Digital Health, uma revista da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC)

Traumas na infância podem provocar insónia nos adultos?

Advertisement

Investigação demonstrou que experiências adversas na infância resultam em formas mais disfuncionais de lidar com a vergonha e aumentam a gravidade dos casos de insónia na idade adulta, embora estas duas variáveis não surjam associadas.

Manuel Delgado: O SNS está a resvalar muito rapidamente para o precipício

Advertisement

Em entrevista exclusiva ao nosso jornal, Manuel Delgado, ex-Secretário de Estado da Saúde do XXI Governo Constitucional, entre 2015 e 2017 e Professor Auxiliar convidado da ENSP/Universidade Nova de Lisboa para as áreas da Políticas de Saúde e Gestão de Serviços de Saúde, aponta os principais desafios que o SNS enfrenta e os que irá enfrentar no futuro.

Mário Macedo: “Enfermeiros Unidos” por uma Enfermagem com Voz

Advertisement

Mário André Macedo, Enfermeiro Especialista em Saúde Infantil e Pediátrica e principal rosto do Movimento “Enfermeiros unidos”, considera inconcebível o constante afastamento dos enfermeiros dos locais de reflexão, planeamento e decisão em saúde. Pondera vir a candidatar-se a Bastonário da Ordem dos Enfermeiros à qual aponta a responsabilidade de nos últimos anos  ter perdido o seu foco e uma visão estruturada para a profissão.

Entre a idade dos ‘porquês’ e o tempo da revolta: Como lidar com a DII em crianças e jovens?

Advertisement

Viver com uma doença para o resto da vida não é fácil quando o diagnóstico é feito em plena infância ou adolescência. Um cenário que pode ser ainda agravado quando se está perante uma doença com inúmeros estigmas, como a Doença Inflamatória do Intestino. Ter a necessidade de ir, vezes sem conta, à casa de banho pode fazer com que muitas crianças e jovens tenham sentimentos de revolta e vergonha. Atendendo a esta realidade, e de forma a desmistificar algumas destas patologias, a Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino (APDI) promoveu no passado dia 16 de maio uma discussão sobre o tema.

MAIS LIDAS

Share This