HFF reforça cuidados ao doente crítico com Consulta de Follow-up

3 de Maio 2022

O Serviço de Medicina Intensiva (SMI) do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF) acaba de inaugurar o projeto “Clínica do Doente Crítico”, criado com vista a alargar a sua assistência ao doente crítico para além do período de doença aguda.

“Com este projeto, pretende-se colaborar com as equipas que seguem os doentes após o internamento no SMI nas várias vertentes disponíveis no Hospital e potenciar ao máximo a recuperação destes doentes no ambulatório. Foi criado um modelo de seguimento do doente crítico, independentemente do destino intra-hospitalar do doente após alta do SMI, que permite a identificação precoce e o tratamento dos problemas ativos diretamente relacionados com a doença aguda e internamento no SMI. A convicção é a de que, através de uma articulação estreita e direta entre o HFF, o doente e os Cuidados de Saúde Primários, se conseguirá facilitar e garantir o acesso atempado do doente aos cuidados de saúde necessários e disponíveis, quer primários quer específicos”, explica Paulo Freitas, Diretor do Serviço de Medicina Intensiva.

Os principais objetivos da “Clínica do Doente Crítico” são a melhoria da qualidade de vida do doente após internamento por doença crítica, reduzir a necessidade de recorrer ao Serviço de Urgência e obter uma redução da morbimortalidade a médio e longo prazo. O Serviço de Medicina Intensiva do HFF assegurará um acompanhamento multidisciplinar, e longitudinal de doentes com Síndrome de Cuidados Pós-Intensivos (PICS) num período máximo de 12 meses. Contará com várias consultas de avaliação: após saída do Serviço de Medicina Intensiva (primeira avaliação); antes da alta hospitalar (segunda avaliação); consulta presencial seis semanas após alta hospitalar (terceira avaliação) e telefonicamente aos 6 meses e um ano após a alta hospitalar.

Para além das avaliações seriadas realizadas pelos elementos médico e de enfermagem do SMI ao longo de um ano, a “Clínica do Doente Crítico” conta com a estreita colaboração de áreas específicas, nomeadamente Cardiologia (David Roque), Consulta da Dor (Ana Pedro), Gastroenterologia  (Ana  Oliveira),  Medicina Física e de Reabilitação  e  Terapia  da  Fala  (Catarina Matos),  Nefrologia  (Ana  Pires),  Neuropsicologia  (Ana  Paula  Silva, André Carvalho), Nutrição Clínica (Paula Peixinho),  ORL (Diogo Raposo),  Pneumologia (Miguel Silveira) e Psiquiatria (Alice Luís).

“Desta forma esperamos uma diminuição do número de reinternamentos”, frisa Paulo Freitas, diretor do Serviço de Medicina Intensiva do HFF. E acrescenta: “Os doentes que sobrevivem à fase crítica de doença podem apresentar disfunções físicas, psicológicas e neuro cognitivas graves, com impacto significativo na saúde do doente e seus cuidadores. A melhor aposta de recuperação incide no primeiro ano e é nesse período que pretendemos intervir e oferecer ao doente as melhores oportunidades”.

O aumento da esperança média de vida e melhoria das técnicas de suporte de órgão tem permitido um maior número de admissões em ambiente de cuidados intensivos e crescente sobrevida após internamento. A avaliação, acompanhamento e tratamento das consequências a médio e longo prazo torna-se cada vez mais pertinente.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights