Nova investigação para ajudar a resolver a escassez de sangue na Irlanda

Um estudo da RCSI University of Medicine and Health Sciences identificou barreiras e motivadores para a doação de sangue a pessoas de grupos étnicos minoritários na Irlanda. Os resultados do […]

Um estudo da RCSI University of Medicine and Health Sciences identificou barreiras e motivadores para a doação de sangue a pessoas de grupos étnicos minoritários na Irlanda.

Os resultados do estudo ajudarão a resolver a recente escassez de sangue na Irlanda e também aumentarão a diversidade do fornecimento de sangue. As atuais carências têm consequências potencialmente graves para os doentes que necessitam de transfusões de sangue, particularmente doentes com doença falciforme, uma doença sanguínea hereditária que afeta os glóbulos vermelhos. A doença falciforme é particularmente comum entre pessoas com antecedentes familiares africanos ou caribenhos.

Os resultados são publicados esta semana na revista “Blood Transfusion”, antes do Dia Mundial das Células Falciformes, que se assinala amanhã, 19 de Junho.

O estudo intitulado “Motivadores e barreiras à doação de sangue entre potenciais doadores de etnia africana e caucasiana” é o primeiro do seu género a explorar a questão das diferenças étnicas nas doações de sangue entre diferentes grupos étnicos na Irlanda. Os resultados ajudarão em futuras campanhas de recrutamento de dadores de diversas origens étnicas na Irlanda, aumentando o fornecimento de sangue para transfusão e melhorando os cuidados aos doentes.

A Investigadora Principal, Dra. Helen Fogarty, da Faculdade de Farmácia e Ciências Biomoleculares, RCSI, afirmou: “O timing desta investigação é crucial. A Irlanda sofreu recentemente uma grande escassez de sangue, com o resultado de que, pela primeira vez em mais de 30 anos, o sangue tem sido importado do Reino Unido. Existe agora uma necessidade urgente de aumentar as doações de sangue, incluindo de pessoas de grupos étnicos minoritários. Os resultados deste estudo ajudam-nos a compreender porque é que estes grupos estão sub-representados e irão ajudar-nos a incluir pessoas de diferentes origens étnicas na doação de sangue no futuro, fazendo uma enorme diferença para todos os doentes que necessitam de transfusões de sangue”.

O estudo foi desenvolvido como parte do RCSI Student Innovation Challenge durante a RCSI Research Summer School 2021, que dá aos estudantes a oportunidade de desenvolver soluções para necessidades médicas urgentes. Mais de 380 pessoas participaram no inquérito que visava identificar motivadores e barreiras à doação de sangue. Os estudantes do RCSI e os vencedores do RCSI Student Innovation Challenge Muskan Sardana, Luke Sheridan, Phoebe Chieng e Sarah Kelly são coautores no jornal.

Os resultados revelaram que as barreiras à doação de sangue entre os respondentes não caucasianos incluíam a falta de informação e uma história de vida numa região endémica de malária. Os fatores que foram encontrados para motivar pessoas de minorias étnicas a doar sangue incluíram razões religiosas e o desejo de ajudar outros nas suas próprias comunidades. As constatações fornecem aos investigadores um foco para intervenções, incluindo campanhas de recrutamento para aumentar a diversidade étnica e a inclusividade entre os dadores de sangue na Irlanda.

NR/HN/Alphagalileo

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This