Queixas dos utentes aos hospitais e maternidades disparam

As reclamações dos utentes dirigidas a Hospitais e Maternidades registaram um aumento de 33% nos primeiros cinco meses do ano, em comparação com o período homólogo. De acordo com o Portal da Queixa, mais de 70% queixa-se da falta de qualidade no atendimento por parte dos profissionais das unidades de saúde. 

Perante o encerramento de vários serviços de urgência de obstetrícia/ginecologia do país, o Portal da Queixa avançou com uma avaliação à satisfação dos consumidores no âmbito da categoria “Hospitais e Maternidades”. Segundo revela a análise, nos primeiros cinco meses do ano, verificou-se um crescimento de 33% do número de reclamações, comparativamente com o período homólogo de 2021.

Os resultados revelam que 74% queixa-se da falta de qualidade no atendimento por parte de médicos, enfermeiros e outros funcionários, bem como, no atendimento telefónico; problemas com consultas (marcação, remarcação e cancelamento) geraram 22% das reclamações; dificuldades com o pagamento e faturação de consultas/exames (2%) e outros motivos (2%).

As unidades de saúde que registaram o maior volume de reclamações foram: o Hospital Beatriz Ângelo (Loures), o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o Hospital Vila Franca de Xira, Hospital de Santa Maria (Lisboa) e o Hospital de São João (Porto). O Hospital Beatriz Ângelo regista o dobro das queixas em relação às outras unidades hospitalares.

PR/HN/Vaishaly Camões

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Share This