Regulador da Saúde quer que Hospital de Loures e ULS da Guarda acabem com atrasos na comunicação de óbitos

27 de Junho 2022

A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) emitiu instruções para que o Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, e a Unidade Local de Saúde da Guarda garantam “especial cuidado” e celeridade na comunicação de óbitos a familiares.

A ERS divulgou hoje deliberações tomadas durante o primeiro trimestre de 2022, resultantes de queixas apresentadas por utentes, entre quais situações relacionadas com o atraso na comunicação da morte do doente à família.

Uma das reclamações analisadas relata a situação ocorrida no Hospital Beatriz Ângelo, em que, no dia 21 de setembro de 2021, a mulher de um doente ter-se-á dirigido ao hospital para fazer uma visita tendo sido informada que o marido tinha falecido “[…] dois dias antes, no domingo dia 19”.

Segundo a reclamação, a família não foi informada e a vítima ficou dois dias na morgue, tendo a situação sido descoberta de “forma casual, abrupta e insensível para com a família”.

“Queremos acreditar que esta situação não é normal mas também queremos contribuir para que não volte a suceder com outra família, sendo esse o objetivo desta reclamação”, lê-se na reclamação.

Em resposta à reclamação, o hospital confirmou que o doente recorreu à unidade em 3 de agosto de 2021. “Verificamos que a situação clínica veio a agravar-se, progressiva e paulatinamente, durante o internamento, tendo o doente vindo a falecer no dia 19 de setembro, pelas 21:45”.

“Infelizmente a cadeia de transmissão de informação, relativa à comunicação do óbito à família, não funcionou como é habitual e devido, situação que lamentamos […]. Infelizmente, existiu um lapso nesta transmissão de informação, tendo a respetiva médica assumido que a família havia sido informada pela equipa de apoio ao internamento, imediatamente após a confirmação do óbito, pelo que não o fez […]”, refere na reposta.

A ERS divulga outra reclamação, visando a atuação da Unidade Local de Saúde da Guarda, E.P.E. (ULSG), em que a reclamante alega que o seu pai, com 83 anos, estava ali internado, tendo morrido no dia 21 de janeiro de 2021. Contudo, o óbito só foi comunicado à família no dia seguinte.

Segundo a reclamante, no dia 21 de janeiro de 2021, a família já tinha feito várias tentativas de comunicar com a ULSG. O Hospital “não quis dar informação relativa ao estado de saúde do meu pai e disseram-me para ligar para o lar pois talvez o hospital lhes tivesse comunicado algo”.

Refere ainda que, no dia seguinte, o seu irmão conseguiu falar, primeiro com uma enfermeira e depois com um médico, que o informou que o seu pai tinha falecido no dia anterior.

A ULSG esclareceu o seguinte: “[…] o período referido representou, dada conjuntura pandémica vivida, tempo de fortes constrangimentos e dificuldades no atendimento e informação nas unidades de saúde, porquanto, devido à grande afluência de doentes ao Serviço de Urgência, devido à covid-19, bem como à escassez de recursos humanos e logísticos, verificamos algumas falhas na comunicação com os familiares. A ULS Guarda [lamenta] os constrangimentos associados”.

Perante estas situações, a ERS emitiu instruções às referidas unidades de saúde no sentido de “garantir, em permanência, que na prestação de cuidados de saúde são respeitados os direitos e interesses legítimos dos utentes e dos acompanhantes, assegurando, por um lado, que aqueles cuidados são prestados de forma digna, humana e com respeito pelo utente e, por outro, que os acompanhantes são devidamente informados, em tempo razoável, sobre a situação do doente nas diferentes fases do atendimento, garantindo especial cuidado, celeridade e correção na comunicação de informação sensível, como a de óbito de um familiar”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights