26/07/2022 | Opinião

Nutrição parentérica em Neonatologia

Dra. Rosalina Barroso,
Coordenadora da Unidade de Cuidados intensivos Neonatais do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca

Nascer prematuro é nascer antes das 37 semanas de idade gestacional.
A nutrição de recém-nascidos pré-termo com idade gestacional inferior a 32 semanas e/ou peso de nascimento inferior a 1500 gr (Muito Baixo Peso) é considerada uma “emergência nutricional”. O objetivo é proporcionar os nutrientes necessários a um crescimento e desenvolvimento adequados
(semelhantes aos observados na vida intra-uterina), sendo tanto mais difícil de atingir quanto menor a idade gestacional e o peso do recém-nascido.
Enquanto a via entérica não está completamente estabelecida, a nutrição parentérica, além de precoce, deve ser considerada “uma ponte” capaz de assegurar as necessidades nutricionais neste período vulnerável.
Nos recém-nascidos pré-termo, bem como nos que imediatamente após o nascimento não possa ser estabelecida a via entérica, a nutrição parentérica deve ser iniciada na 1ª hora de vida.
A introdução atempada de nutrição parentérica minimiza a perda de peso, melhora o crescimento e o neurodesenvolvimento. O aporte proteico e de energia adequados, particularmente na primeira semana de vida, também estão associados a um melhor prognóstico do ponto de vista cognitivo e
neurológico.
A composição da nutrição parentérica inclui: proteínas (aminoacidograma semelhante ao fetal), hidratos de carbono, lípidos,solução hidroelectrolítica (relevante o cálcio e fósforo na mineralização óssea) e vitaminas.
As bolsas de nutrição parentérica podem ser preparadas na farmácia hospitalar (individualizadas/personalizadas) ou industrialmente (standard) sendo de referir que, em qualquer dos casos, deve haver programa informatizado de apoio à prescrição. Ambas apresentam vantagens e desvantagens: as bolsasindividualizadas devem ser sempre preparadas em câmara de fluxo laminar na farmácia hospitalar, a prescrição pode ser alterada diariamente refletindo a situação clínica do doente; por outro lado, as bolsas standard apresentam melhor estabilidade físico-química das soluções e macro e micronutrientes, redução de erros de prescrição, redução da contaminação bacteriana e ainda disponibilidade 24h.
De acordo com as Guidelines of Parenteral Nutrition da European Society of Paediatric Gastroenterology Hepatology and Nutrition (2018) as bolsas de nutrição parentérica standard devem ser usadas como primeira linha na maioria dos recém-nascidos (incluindo os Muito Baixo Peso), sendo as bolsas individualizadas reservadas para situações em que as bolsas standard não conseguem preencher os requisitos nutricionais (necessidade de alteração diária por doença grave, recém nascidos pré-termo com alterações metabólicas requerendo ajustes frequentes) ou quando se prevê duração superior a 2-3 semanas.
Além disso, e de acordo com alguns estudos, a nutrição parentérica standard vs. individualizada apresenta um aporte mais elevado de nutrientes o que está associado maior ganho de peso e menores défices nutricionais.
Independentemente do tipo de nutrição parentérica utilizada é mandatório o conhecimento das recomendações atuais relativamente ao aporte diário de nutrientes, de modo que seja fornecida logo desde a 1ª hora de vida uma quantidade adequada de proteínas e energia (lípidos são essenciais no fornecimento de energia) o que tem implicação na morbilidade e mortalidade.

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share This