Pandemia prejudicou combate ao VIH/Sida em Moçambique

3 de Agosto 2022

O ministro da Saúde de Moçambique considera que a Covid-19 afetou o programa de combate ao VIH/Sida no país devido à redução e desvio de recursos para fazer face a pandemia.

“Os programas normais de outras doenças tiveram de reduzir em termos de desempenho, não só por falta de recursos, mas também pelo facto de a Covid-19 ter precipitado a um isolamento em muitos países”, disse Armindo Tiago, citado hoje pelo jornal Notícias.

Segundo o governante moçambicano, a Covid-19 obrigou à realocação de recursos do programa de luta contra o VIH/Sida e outras doenças, o que culminou com a redução dos ganhos obtidos no seu combate.

O isolamento imposto pela Covid-19, avançou Armindo Tiago, afetou igualmente a “exportação de medicamentos e consumíveis hospitalares”, o que levou a entidade a prolongar o período de dispensa dos antibióticos.

“Uma das medidas adotadas foi a introdução de pacotes de longa duração. Neste contexto, dispensávamos medicamentos por períodos mais longos, de modo que os doentes não se deslocassem frequentemente às unidades sanitárias e cumprissem o distanciamento social”, frisou Armindo Tiago.

O último Inquérito de Indicadores de Imunização, Malária e VIH/sida em Moçambique (Imasida), realizado em 2015, aponta o país como um dos cinco com elevada taxa de infeção pela pandemia no mundo, com 13,2% de jovens e adultos entre os 15-49 anos contaminados.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights