ASAE desmantela matadouro ilegal e suspende restaurante no distrito de Évora

11 de Agosto 2022

Um matadouro ilegal numa exploração pecuária, no distrito de Évora, foi desmantelado pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), que suspendeu também a atividade do estabelecimento de restauração e bebidas que comercializava essa carne.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, a ASAE indicou que a sua Unidade Regional do Sul – Unidade Operacional de Évora efetuou a operação de fiscalização que resultou no desmantelamento do matadouro ilegal.

Foi instaurado um processo-crime por abate clandestino e pela prática dos crimes contra a saúde pública de géneros alimentícios anormais avariados.

Nesta intervenção, a ASAE constatou que, no matadouro, “se procedia ao abate de animais de forma ilícita, em local não licenciado para o efeito”, pode ler-se no comunicado.

Além disso, o local estava a funcionar “sem condições de higiene adequadas” e os animais não eram “sujeitos à inspeção sanitária obrigatória para despiste de doenças”, acrescentou.

Os inspetores da ASAE verificaram ainda que, após o abate ilegal, “a carne dos animais abatidos era comercializada para um estabelecimento de restauração e bebidas”.

Este estabelecimento era, assim, “recetor e responsável pela entrada no circuito do consumo público” dessa mesma carne.

Após uma ação de inspeção neste estabelecimento, “foi verificada a falta de condições de higiene, tendo sido determinada a suspensão de atividade” do mesmo.

Como balanço da ação, que contou com o apoio da GNR, a ASAE apreendeu 500 quilos de carne, quatro facas, dois cutelos e um machado, o que representa um valor aproximado de quatro mil euros.

“A ASAE continuará a desenvolver ações de fiscalização, no âmbito das suas competências, em todo o território nacional, em prol de uma sã e leal concorrência entre operadores económicos, na salvaguarda da segurança alimentar e saúde pública dos consumidores”, assegurou o organismo.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights