Governo propõe a Bruxelas criação de plano face a riscos de abastecimento alimentar

27 de Agosto 2022

 O Governo propôs à Comissão Europeia a constituição de um plano de contingência que previna os riscos ligados ao abastecimento alimentar, no mercado europeu, em situações de crise.

No documento “Prioridades de Portugal para o Programa de Trabalho da Comissão 2023”, a que a Lusa teve acesso, o executivo português pede a construção de “um plano de contingência que permita um maior conhecimento e atuação mais eficaz e preventiva face aos riscos de abastecimento alimentar do mercado interno europeu em situações de crise”.

Em matéria de agricultura e pescas, é também pedido que seja dada uma “especial atenção” à segurança alimentar e ao bem-estar animal, nomeadamente através da revisão da legislação em vigor, incluindo no que se refere ao transporte e abate.

Por outro lado, é proposta a definição de metas para a redução do desperdício alimentar e apoios para o fornecimento de alimentos saudáveis e a preços acessíveis em estabelecimentos abertos ao público, como cantinas escolares, hospitais ou lares de terceira idade.

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) tem pedido ao Governo que aposte na compra de produtos nacionais para as cantinas públicas.

Os agricultores nacionais, através do projeto reLOCALiza, lançaram o objetivo de atingir 30% dos produtos consumidos nas cantinas provenientes da agricultura local e familiar.

No documento ontem divulgado, o Governo pede ainda à Comissão que seja feito um debate sobre a gestão dos recursos da pesca e a dependência externa da União Europeia “para o abastecimento alimentar dos produtos da pesca, no quadro de uma guerra na Europa”.

No que se refere aos transportes, é proposto apoio aos projetos de transportes públicos, uma rede pan-europeia de alta velocidade de transporte rodoviário e de transporte de mercadorias.

Soma-se a promoção dos serviços de mobilidade digital multimodal, a transição para a mobilidade elétrica, assim como meios para que a Agência da União Europeia para a Segurança da Aviação “possa agir na qualidade de órgão de análise do desempenho do Céu Único Europeu”, um programa que quer organizar o espaço aéreo, aumentando a sua capacidade para a acomodação de voos, com níveis de segurança elevados.

Já as prioridades nacionais em matéria de finanças incluem a implementação do euro digital, a revisão da diretiva IVA e do regulamento do Conselho sobre a cooperação administrativa no domínio do IVA.

Portugal quer ainda a reabertura do debate sobre o conceito de pequena e média empresa (PME), evitar obrigações legais e encargos administrativos que impliquem custos extra para as empresas, “em particular, reduzir as obrigações de informação que desviem recursos das PME, que deviam estar orientados para as sua produtividade e competitividade”.

Neste sentido, as políticas europeias ligadas às empresas devem ter em conta as “especificidades e vulnerabilidades” destas empresas, em especial, no que diz respeito à transição sustentável e para a digitalização.

Ainda nesta matéria, é solicitada a implementação da Estratégia Industrial para a Europa, o reforço do combate à economia paralela e da rastreabilidade nas cadeias de criação de valor dos produtos consumidos na União Europeia, a revisão da classificação de resíduos e dos princípios da economia circular e do regulamento REACH, “designadamente com vista à simplificação dos procedimentos e encargos legais e administrativos dele decorrentes”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Prémio de Investigação Noémia Afonso recebe trabalhos até 31 de julho

O Prémio de Investigação Noémia Afonso, promovido pela Sociedade Portuguesa de Senologia (SPS), anunciou a extensão do prazo de envio dos trabalhos até 31 de julho de 2024. A iniciativa tem como objetivo incentivar a cultura científica e fomentar a investigação clínica na área do cancro da mama.

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights