Enfermeiros foram hoje à praia sensibilizar população para problemas do SNS

29 de Agosto 2022

Munidos de água, t-shirt e boné, enfermeiros portugueses foram esta segunda-feira à praia em Santo Amaro de Oeiras para transmitirem à população os problemas da classe e alguns conselhos para enfrentar o sol.

A ação foi do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), com representantes que passaram a manhã junto ao areal para distribuir panfletos com informação sobre as razões da luta destes profissionais: “A falta de condições no Serviço Nacional de Saúde e o investimento que é necessário fazer”.

De acordo com Isabel Barbosa, dirigente do SEP, estima-se que faltem cerca de 20 mil enfermeiros no SNS para responder às necessidades do serviço.

“É preciso criar condições para estes profissionais, para os conseguir atrair e fixar nos serviços que são necessários”, disse a dirigente sindical à agência Lusa.

Os enfermeiros pretendem que sejam contabilizados todos os pontos necessários para progressão nas carreiras, alegando que ainda não conseguiram recuperar dos efeitos do congelamento desde a crise que levou à intervenção da ‘troika’ em Portugal.

Querem também uma carreira, com harmonização, para todos os profissionais, independentemente do vínculo laboral.

“É essencial este serviço público, mostrou a sua importância muito recentemente”, defendeu Isabel Barbosa, numa alusão ao trabalho desenvolvido no combate à pandemia de covid-19.

As questões relacionadas com a contagem dos pontos para efeitos de progressão na carreira têm estado em negociação entre os sindicatos e o Ministério da Saúde.

De acordo com Isabel Barbosa, há já um compromisso, mas “ainda não está vertido em diploma”, pelo que o SEP entende que deve continuar a “fazer pressão”.

“Já são alguns anos de luta”, desabafou.

Questionada sobre o principal problema que os enfermeiros enfrentam no dia-a-dia de trabalho, Isabel Barbosa identificou a falta de profissionais, defendendo a contratação de mais enfermeiros, por forma a responder a “ritmos alucinantes de trabalho” e a evitar “ausências forçadas”.

Há também uma “grande rotatividade” nas equipas de trabalho, uma vez que os enfermeiros vão procurando melhores condições, disse.

“Tudo está interligado. Neste momento é preciso criar condições de trabalho e uma carreira digna para que os enfermeiros possam ser atraídos para o serviço público”, afirmou.

Nas abordagens a quem passava pela marginal junto à praia de Santo Amaro, os enfermeiros foram dando conselhos sobre os riscos da exposição ao sol, distribuindo água e bonés, juntamente com um folheto em que escreveram “A nossa luta é a luta de todos”.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS

Guadalupe Simões: Quantidade de atos “não se traduz em acompanhamento com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”

Esta sexta-feira, Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, criticou a escolha do Governo de pagar pela quantidade de atos. “Quando o Governo diz que dá incentivos ou que dá suplementos financeiros se fizerem mais intervenções cirúrgicas, se tiverem mais doentes nas listas, se operarem mais doentes no âmbito dos programas do SIGIC, se, se, se, está sempre a falar de quantidade de atos, que não se traduz em acompanhamento das pessoas com a qualidade e segurança que qualquer pessoa deverá exigir”, explicou ao HealthNews.

Guadalupe Simões: “Reunião apenas serviu para o Ministério da Saúde promover essa chantagem tentando que nós suspendêssemos a greve”

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) e o Ministério da Saúde “correu muito mal”. Na quinta-feira, “o Ministério da Saúde procurou chantagear o sindicato dizendo que só negociava se a greve fosse suspensa”, contou ao HealthNews Guadalupe Simões, dirigente do SEP, que, por esse motivo, pelos enfermeiros, pelos doentes e pelo SNS, espera que haja uma forte adesão à greve nacional de 2 de agosto.

MAIS LIDAS

Share This
Verified by MonsterInsights