Unidade de Reabilitação Cardíaca de Leiria tem contribuído para a prevenção de novos enfartes

A Unidade de Reabilitação Cardíaca do Centro Hospitalar de Leiria tem contribuído para a prevenção de novos enfartes, durante os cinco anos de funcionamento, período durante o qual foram registados três óbitos em cerca de 150 doentes.

As doenças cardíacas são uma das principais causas de mortalidade em Portugal e, depois de um primeiro episódio de enfarte, a repetição de um novo evento é comum, reconheceu o coordenador da Unidade de Reabilitação Cardíaca, Alexandre Antunes.

Entre os 150 doentes que já passaram por esta unidade, há a lamentar três mortes, duas das quais por terem patologias “graves” e outra por incumprimento das recomendações.

“É na tentativa de melhorar toda esta doença crónica, e consequentemente todas as implicações sociais, que nasce a reabilitação cardíaca. É um programa que pretende ajudar os doentes a mudar o ‘chip’”, acrescentou.

Esta unidade, acreditada recentemente pela Sociedade Europeia de Cardiologia, tem melhorado a qualidade de vida dos utentes. Criada há cinco anos no Hospital de Santo André, os resultados têm sido satisfatórios, ao contribuir para a redução da mortalidade cardiovascular e de readmissões hospitalares.

“Está provado que a reabilitação cardíaca bem feita consegue ter um impacto na redução da mortalidade e de novos enfartes igual ou superior a qualquer medicamento de ponta ou até tratamentos mais agudos, como as angioplastias”, explicou o médico cardiologista.

Américo Rosinha, 68 anos, teve um enfarte em dezembro de 2021. Esteve nos cuidados intensivos e começou há poucas semanas o programa de reabilitação, que tem uma vertente educativa, de exercício físico e de gestão de stress e ansiedade.

“É importante para o resto da vida. Saio daqui mais motivado para manter uma vida saudável no dia-a-dia. Passei a fazer mais caminhadas e a cumprir uma alimentação mais saudável”, admitiu o utente.

Depois das sessões que já realizou, Américo Rosinha confessou que cada vez que pega num “bolinho” já pensa “no açúcar e na gordura que possui”.

“Antes, não tinha a mínima preocupação, talvez por isso é que tive o enfarte”, constatou.

Enfermeiro de profissão, Pedro Quintas, 43 anos, sofreu um enfarte em janeiro e sublinhou que o programa, que tem uma duração entre oito a 12 semanas, é uma “mais-valia” para o futuro.

“Não é só a mentalização do doente, mas também a mudança do estilo de vida”, acrescentou, ao destacar a importância da aplicação ‘Movida Eros’, concebida em parceria com o Politécnico de Leiria, que monitoriza o exercício físico do utente.

A aplicação móvel permite prescrever e acompanhar o doente sempre que este realiza o exercício, monitorizando os sintomas.

Nas sessões presenciais de exercício, o médico segue os valores dos batimentos cardíacos e pulsação.

“À medida que a pessoa adquire o hábito de se exercitar, vai ficar mais autónomo, com mais capacidades, mais confiante e com menos probabilidades de voltar a ter um enfarte”, garantiu Alexandre Antunes.

“No fim deste programa pretendemos ter um doente mais informado, mais exercitado, mais relaxado e a lidar melhor com o stress”, afirmou o cardiologista, lamentando que os doentes ativos profissionalmente tenham maior dificuldade em aderir ao programa, por incompatibilidade laboral.

LUSA/HN

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Share This